Quem vem ao WS? Este mapa mostra de onde são

São milhares que têm um destino em comum: Lisboa. Este mapa diz-lhe qual é o país de origem de quem vai pisar o palco do Web Summit.

São, no mínimo, 50 mil participantes que vão chegar (ou já chegaram) a Lisboa para ir ao Web Summit. Muitos deles já instalaram a aplicação e um estudante espanhol de Engenharia Informática reuniu as localizações dos utilizadores da app para fazer uma mapa. Ei-lo:

web summit mapa

O mapa mostra que é da Europa que vão chegar a maior parte dos participantes do Web Summit em Lisboa. Holanda, Bélgica e Alemanha são os países onde o aglomerado de utilizadores da app se concentram na Europa. Mas há também muitos participantes que vão chegar dos EUA, em específico da Califórnia (onde se situa Sillicon Valley, o oásis empreendedor norte-americano) e de Nova Iorque. O Brasil e a Índia também parecem ser dois locais onde muita gente vai apanhar um avião para Lisboa.

web summit mapa

Já em Portugal, o principal aglomerado está na área da Grande Lisboa, como seria de esperar. Contudo, há outras cidades que se destacam: Faro, Évora, Setúbal, Leiria, Aveiro, Porto e Braga. É no litoral que se concentra a maior parte dos participantes portugueses, mas o interior também se vai deslocar à capital para presenciar a primeira edição do Web Summit em Portugal.

Ao ECO, o voluntário no Web Summit 2016, Dani Álvarez Welters, explicou que os dados são da própria aplicação Android e são acessíveis a quem tenha conhecimentos de mobile, mas não há nenhum hacking.

No entanto, o estudante da Universidade La Salle, em Barcelona, refere que os dados mais sensíveis como os números de telemóvel ou emails não são acessíveis. Dani Álvarez Welters, de 23 anos, vai ser um dos muitos voluntários do evento, neste caso na equipa que vai ajudar as startups a tirarem o melhor partido do Web Summit.

Sabia que os vietnamitas estão muito interessados no Web Summit?

A dias do Web Summit, na passada sexta-feira, o secretário de Estado da Indústria, João Vasconcelos, retweetou no seu Twitter uma imagem com dados relacionados com o evento. Este mapa utiliza dados do Google Analytics para traçar o interesse nos vários pontos do mundo: a Europa é quem mais pesquisa sobre o Web Summit num ranking liderado por Espanha, seguido por França, Reino Unido e Alemanha. No top 5 há, no entanto, um intruso: o Vietname. Os vietnamitas parecem estar muito interessados no evento que cruza tecnologia com empreendedorismo.

A compilação foi feita pela Kalinax, uma empresa de business inteligence e tratamento de dados. Em Portugal, por exemplo, existem por dia 2.300 pesquisas no Google sobre o Web Summit. Já os Estados Unidos da América são o nono país com mais interesse no Web Summit.

Um dos dados mais interessantes é o facto da Irlanda — país onde o evento se realizava até este ano — não ter deixado de querer saber do evento. Pelo contrário, aparece na sétima posição dos países que mais interesse têm e é o primeiro nos dados de interesse per capita. O segundo país é Cabo Verde e o terceiro o Luxemburgo.

per capita web summit
Fonte: Kalinax.

Editado por Mónica Silvares

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Quem vem ao WS? Este mapa mostra de onde são

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião