O escrutínio das empresas públicaspremium

Mais importante do que os resultados financeiros, importa reflectir sobre a cultura de gestão. como é que podemos discutir o subfinanciamento público sem ermos uma noção da atividade a financiar?

A situação financeira do sector empresarial do Estado (SEE) constitui um risco muito relevante no contexto das contas públicas nacionais. Mas mais do que isso, ela representa um foco de más práticas de governação que deveriam ser afastadas de cena. Esta semana regresso ao estudo do Conselho de Finanças Públicas (CFP) sobre o SEE, publicado muito recentemente. Trata-se, como aqui escrevi, de um documento de grande valia, de grande fôlego e profundidade, que combina comentários de natureza pedagógica com críticas objectivas e muito contundentes. Ali se faz o retrato e a análise do SEE, incluindo fichas individuais de empresa, que a Direcção Geral do Tesouro e Finanças (DGTF) e o Governo têm deixado por fazer desde 2015. Para além dos resultados por empresa, o trabalho do CFP sistematiza o

Assine para ler este artigo

Aceda às notícias premium do ECO. Torne-se assinante.
A partir de
5€
Veja todos os planos