O nacionalismo de suposição

  • Filipe Vasconcelos Romão
  • 29 Outubro 2017

O bloco independentista avançou escudado em meras suposições e não em factos. A política exige improvisação, mas não pode basear-se exclusivamente em desejos. As oito suposições erradas desta deriva.

O choque entre a declaração de independência do parlamento catalão e a aprovação das medidas propostas pelo Governo, ao abrigo do artigo 155º da Constituição, pelo Senado espanhol foram (por agora) o desfecho possível de um processo de independência marcado pelos erros dos seus impulsionadores.

Seria tudo isto assim tão imprevisível? Não. Um olhar mais atento e mais crítico sobre a história recente de Espanha e sobre os seus actores talvez tivesse sido suficiente para não embarcar numa fantasia que mantém a Catalunha em suspenso há dois anos. No momento em que o nacionalismo catalão moderado incluiu a independência no seu programa e em que contribuiu para constituir um bloco ideologicamente transversal cometeu o seu erro fundador: pensar que um Estado poderia ser fundado ao arrepio de uma Constituição que ele próprio (nacionalismo moderado) ajudara a redigir e a aprovar.

A desvalorização da dimensão jurídica está na génese da sucessão de enormes erros cometidos pelos capitães do processo de desconexão. O formal/legal pode recuar face ao político, mas sobretudo quando é considerado ilegítimo pela comunidade internacional (por exemplo, colonialismo português nos anos 70) ou quando conta com uma maioria clara no contexto social em que se insere. Nenhum destes pressupostos parece ter sido preenchido. O bloco independentista avançou, assim, escudado em meras suposições e não em factos. A política exige improvisação, mas não pode basear-se exclusivamente em desejos.

Foram oito as suposições erradas em que se baseou esta deriva:

  1. Supor que o nacionalismo catalão teria uma votação claramente acima dos 50% nas eleições autonómicas de 2015.
  2. Supor que a aliança entre a marca regional do Podemos e Ada Colau, a presidente da câmara de Barcelona, alinhariam no processo.
  3. Supor que o PSOE de Pedro Sánchez e o PSC de Miguel Iceta assumiriam uma posição neutral em função do desprezo que nutrem por Mariano Rajoy e pelo Partido Popular.
  4. Supor que a União Europeia, no rescaldo da maior crise da história da integração, poderia tolerar o início do desmantelamento de um Estado-membro.
  5. Supor que o Estado espanhol não iria reagir e que os enormes escândalos de corrupção que abalaram o partido do Governo (minoritário) impediriam Mariano Rajoy de actuar.
  6. Supor que o quadro autonómico já teria um peso político equiparável a uma constituição e que o Estado não teria coragem de accionar o artigo 155º (suspensão parcial da autonomia).
  7. Supor que iriam votar mais de três milhões de pessoas no dia 1 de Outubro mesmo no meio do caos e das irresponsáveis cargas policiais do Estado.
  8. Supor que a causa é suficientemente forte para conferir coesão a um bloco constituído por conservadores, liberais, sociais-democratas e militantes anti-globalização.

O nacionalismo catalão transformou-se num nacionalismo de suposição, sem uma alternativa ao guião traçado inicialmente. Este foi o seu maior erro.

Nota: O autor escreve segundo o antigo acordo ortográfico.

  • Filipe Vasconcelos Romão
  • Presidente da Câmara de Comércio Portugal – Atlântico Sul e professor universitário

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

O nacionalismo de suposição

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião