Bolsa espanhola afunda com independência da Catalunha

O IBEX-35 derrapa quase 2% após a aprovação da independência da Catalunha no Parlamento catalão. Setor bancário é dos mais pressionados.

A bolsa espanhola está a reagir negativamente à aprovação da declaração de independência que partiu do Parlamento catalão esta sexta-feira. O principal índice espanhol, o IBEX-35, derrapa 1,82% logo após a votação, com o setor bancário e as seguradoras entre as empresas que mais desvalorizam. Na Europa, a tendência mantém-se positiva, mas os ganhos estavam a aliviar.

O índice espanhol ligou a marcha atrás praticamente após a conclusão da votação, em que a proposta dos independentistas dos JxSí e CUP mereceu 70 votos a favor, num plenário já sem representantes do PP, Ciudadanos e PSC. Entre as cotadas em Espanha, as perdas chegavam a superar os 6%, como era o caso da companhia aérea International Consolidated Airlines.

No entanto, a pressionar o índice estavam, sobretudo, os bancos e as seguradoras. Por exemplo, o Banco de Sabadell desvalorizava 5,75%, o CaixaBank caía 4,64%, o Bankinter recuava 2,76% e o Bankia perdia 2,62%. Por sua vez, a seguradora Mapfre desvalorizava 2,69%.

A notícia de mais um passo no sentido da independência da Catalunha também contaminou as bolsas europeias, mas não ao ponto de as pintar de vermelho. Os principais índices europeus aliviaram os ganhos mas seguiam, ainda assim, em terreno positivo, com ganhos na ordem das décimas. O Stoxx 600 avançava 0,33%, enquanto a bolsa lisboeta ganhava 0,35% e a francesa 0,76%. Em contrapartida, o índice italiano recuava 0,69%.

(Notícia atualizada às 15h08 com mais informações)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Bolsa espanhola afunda com independência da Catalunha

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião