Quer um iPhone X? Boa sorte. Esgotou em dez minutos

As pré-vendas do iPhone X arrancaram esta sexta-feira, mas... o aparelho esgotou em menos de dez minutos. Apple estará com sérios problemas de stock, o que poderá ameaçar o sucesso.

O iPhone X teve muitas novidades, mas a maioria já chegaram ao mercado pelas mãos de outras marcasApple/D.R.

As pré-encomendas do iPhone X arrancaram esta sexta-feira. No entanto, na loja oficial da Apple o novo telemóvel topo de gama da marca esgotou rapidamente. Bastaram dez minutos para o stock ser completamente arrebatado pelos milhões de fãs que anseiam pelo novo aparelho.

As vendas arrancaram às 8h00, hora de Lisboa. Eram 8h10 quando o iPhone X deixou de estar disponível na loja da Apple, adianta o The Guardian. Houve relatos de problemas e dificuldades em aceder ao site da marca, presumivelmente devido à elevada quantidade de acessos. As primeiras unidades do iPhone X deverão chegar às mãos dos utilizadores a partir do próximo dia 3 de novembro, mas a Apple estará a adiar as datas de entrega pelo menos até dezembro.

A par dos iPhones 8 e 8 Plus, o iPhone X é outro dos modelos lançados este ano. Trata-se de um dispositivo premium, com um novo desenho, com tecnologias avançadas nunca antes adotadas pela fabricante e novas funcionalidades. É o telemóvel mais caro da marca da maçã, com um preço inicial de 999 dólares nos Estados Unidos. Entre as novidades está a capacidade de desbloquear o aparelho através do reconhecimento da cara do utilizador, bem como o ecrã tátil OLED, com cores mais naturais, brilhantes e contrastadas.

O programa de pré-encomendas da Apple é uma manobra inteligente por parte da empresa. Como explicou a Bloomberg, é uma forma de a Apple conseguir agarrar os clientes antes de estes se voltarem para outras marcas, como as rivais Samsung ou Huawei. Ambas lançaram recentemente novos telemóveis capazes de concorrer com o iPhone X, respetivamente o Galaxy Note 8 e o Mate 10. Este foi, por isso, um dia crucial para a gigante tecnológica, naquele que é o trimestre mais importante nas suas contas.

Mas o facto de o iPhone X ter esgotado tão rapidamente não é propriamente uma boa notícia para a Apple. A empresa estará a ter sérias dificuldades em manter os níveis de stock razoáveis face à elevada procura do telemóvel no mercado.

A Apple depende exclusivamente de um fornecedor de ecrãs OLED (curiosamente, a Samsung Displays), enquanto o fabrico dos componentes necessários ao reconhecimento facial também será um desafio — ao ponto de a empresa ter pedido aos fornecedores para reduzirem a precisão do sensor de reconhecimento para facilitar o fabrico, de acordo com a agência. Algo que a empresa já veio desmentir. Alegadamente, a Apple estima agora uma produção anual de 20 milhões de iPhones X, metade do que estaria inicialmente planeado.

Em Portugal, as pré-encomendas do iPhone X também já arrancaram nas principais operadoras e lojas. O telemóvel é significativamente mais caro, com a versão de 64 GB a custar 1.179,99 euros, enquanto a versão mais espaçosa, com 256 GB de armazenamento, custa 1.359,99 euros, como o ECO já tinha noticiado.

Contudo, as quebras de stock do iPhone X são apenas uma das preocupações da Apple neste momento. As elevadas expectativas em relação ao modelo premium terão prejudicado as vendas dos dois outros novos modelos lançados este ano. Os números não são famosos: enquanto, no ano passado, as vendas dos iPhones 7 e 7 Plus representaram 43% do total de telemóveis vendidos pela marca no trimestre, este ano, as vendas de iPhones 8 e 8 Plus deverão representar somente 16% das vendas.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Quer um iPhone X? Boa sorte. Esgotou em dez minutos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião