Santana Lopes condena “conflito institucional” entre Governo e Marcelo

  • ECO
  • 27 Outubro 2017

É aquilo "de que o país menos precisa", afirmou o candidato à liderança do PSD, relativamente ao que chamou uma "onda de choque" entre o Governo e o Presidente da República.

Pedro Santana Lopes condenou esta sexta-feira, num artigo de opinião publicado no Correio da Manhã, o “conflito institucional entre o Presidente da República e o Governo”, relativamente à ação tomada por António Costa após a tragédia mais recente, os incêndios de 15 de outubro em que morreram dezenas de pessoas. Santana Lopes afirmou que se trata “daquilo de que o país menos precisa”.

Santana Lopes refere-se à notícia de que houvera mal-estar dentro do Governo perante o discurso de Marcelo Rebelo de Sousa dois dias depois dos incêndios, em que foi rígido com os governantes por não terem tido uma resposta rápida e exigindo uma remodelação governamental.

“É incontestável que o Presidente da República fez um discurso muito duro”, escreve Pedro Santana Lopes. No entanto, não apoia que fontes do Governo deixem agora sair “acusações” que são “graves” contra Marcelo Rebelo de Sousa.

“Não me cabe, nem cabe a quem está de fora, dizer o que é falso ou verdadeiro. Uma certeza existe: o que está a acontecer agora é muito desagradável e não ajuda em nada os portugueses atingidos pelas tragédias dos incêndios florestais”, continua. “Pode ter terminado uma fase de encantamento recíproco no relacionamento entre o Presidente e o Governo. Mas esses encantamentos também não são muito aconselháveis, porque podem acontecer, eventualmente, desilusões como a que estará em causa, talvez de ambas as partes. Mais do que encantamentos ou exageros institucionais, importa é que haja correção institucional”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Santana Lopes condena “conflito institucional” entre Governo e Marcelo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião