One last boost

Este novo (provavelmente último) boost no domínio dos incentivos à Inovação Empresarial e Empreendedorismo, compreende 326 milhões de euros (cerca de 65% da verba global destes apoios).

Há poucos dias, foi lançado um novo (e provavelmente último) boost de incentivos do Portugal 2020 para acelerar o investimento nas empresas, o qual ultrapassa os 500 milhões de euros.

Com uma dotação global de 26 mil milhões de euros entre 2014 e 2020, no final do ano 2019, cerca de 90% dos fundos do Portugal 2020 já se encontravam comprometidos, dos quais 5,5 mil milhões de euros apoiam mais de 15.250 projetos das empresas, ainda que apenas cerca de 45% da dotação global deste programa se apresentasse efetivamente executada.

Neste contexto, as áreas da Inovação e da Investigação e Desenvolvimento são aquelas que apresentam o maior volume de fundos comprometidos (cerca de 31%), em particular os incentivos à Inovação Empresarial e Empreendedorismo (IEE).

De facto, entre 2015 e 2019, foram lançados 25 Avisos-concurso (ACC) para o IEE, com uma dotação global superior a 2,9 mil milhões de euros, visando o apoio ao investimento do tecido empresarial nacional no contexto da (i) Inovação Produtiva e do (ii) Empreendedorismo Qualificado e Criativo.

Neste novo (e provavelmente último) boost no domínio dos incentivos à IEE, que compreende uma dotação total de 326 milhões de euros (cerca de 65% da verba global de apoios suprarreferida), destacam-se os ACC que visam:

  1. dar continuidade ao investimento empresarial no domínio da Inovação Produtiva, nas distintas regiões de Portugal Continental (ACC 07/SI/2020) e em territórios de baixa densidade (ACC 08/SI/2020), com uma dotação agregada superior a 311,5 milhões de euros;
  2. facilitar o apoio à exploração económica de novas ideias e incentivar a criação de novas empresas (ACC 09/SI/2020, dirigido a PME com menos de dois anos), com uma dotação de 14,5 milhões de euros.

Neste novo plano de concursos foram introduzidas algumas novidades e melhorias face ao passado, das quais se destacam:

  • Ampliação da majoração de 10 p.p. para PME com investimentos elegíveis inferiores a 15 milhões de euros, que desenvolvam o projeto na área da inovação tecnológica, designadamente em automação, no caso de empresas com maior intensidade do fator trabalho (em adição à aplicação desta majoração a projetos inseridos nos referenciais da Indústria 4.0, da Economia circular e da Transição energética);
  • Possibilidade de inclusão de uma componente específica de formação de recursos humanos, conducente a uma superior eficácia dos processos de inovação das empresas, por via de candidatura autónoma de Formação Integrada (ACC 11/SI/2020, com dotação adicional de 17,2 milhões de euros);
  • É ainda revelado o modo de operacionalização do instrumento financeiro de garantia do sistema híbrido de apoio aplicável a PME, designadamente a linha especifica Capitaliza Mais, gerida pela Instituição Financeira de Desenvolvimento (“IFD”), e as respetivas condições e limites.

Os prazos e condições de submissão das candidaturas aos ACC em apreço são os seguintes:

  • ACC 08/SI/2020 – 3 fases de candidatura, respetivamente com término em: 16-03-2020; 29-06-2020; 07-09-2020;
  • ACC 07/SI/2020 e ACC 09/SI/2020, cujo período de candidaturas termina a 20-04-2020;
  • No caso de beneficiários que efetuaram registo do pedido de auxílio através do Aviso-concurso 16/SI/2018, o período de submissão de candidatura utilizando os dados do projeto registado deve suceder até 16-03-2020.

Assim, com um bom plano de investimento, projetado a dois anos, a sua empresa ainda está a tempo de aproveitar este último boost de apoios do Portugal 2020.

  • Jorge Nadais
  • Partner da Deloitte

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

One last boost

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião