Bruxelas cria incentivos para mais inteligência artificial nas PME. Linha de 100 milhões alargada em 2021

As pequenas e médias empresas (PME) precisam de incentivos para adotarem mais tecnologias de inteligência artificial nos seus negócios. Há 100 milhões em financiamento previsto já para este ano.

A Comissão Europeia quer criar incentivos para que as pequenas e médias empresas “compreendam e adotem” tecnologias ligadas à inteligência artificial nos seus negócios. Para isso, conta com a linha piloto de 100 milhões de euros para financiar “desenvolvimentos inovadores” nesta área, que deverá ser reforçada já no próximo ano.

No white paper sobre inteligência artificial divulgado esta quarta-feira, no qual a Comissão Europeia apresenta um plano de ação para garantir que a tecnologia é desenvolvida com integridade e mais transparência, Bruxelas refere que “também é importante garantir que as PME podem aceder e usar inteligência artificial”.

Para tal, a Comissão Europeia e o Fundo Europeu de Investimento já tinham anunciado “um esquema piloto de 100 milhões de euros no primeiro trimestre de 2020 para financiar desenvolvimentos inovadores na inteligência artificial”. Contudo, a ideia é, depois, acelerar este programa a partir do próximo ano, através do programa InvestEU, assume agora Bruxelas no documento.

Mas não é tudo. Bruxelas quer que sejam instalados polos digitais altamente especializados em inteligência artificial em todos os países da União Europeia, garantindo que “pelo menos um polo de inovação digital por Estado-membro tenha um alto grau de especialização em inteligência artificial”, sublinha no mesmo plano de ação.

“As PME e as startups vão precisar de acesso a financiamento para adaptarem os seus processos ou para inovarem através da inteligência artificial”, assume a Comissão Europeia, que apresentou esta quarta-feira uma série de iniciativas para fomentarem a transição digital do bloco. O plano foi chamado de “Moldar o futuro digital da Europa”.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Bruxelas cria incentivos para mais inteligência artificial nas PME. Linha de 100 milhões alargada em 2021

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião