Por um pagam todospremium

Os estudos de progressão de carreira apontam para o impacto da maternidade na carreira, especialmente no que toca à das mulheres -- mães --, no acesso a oportunidades de crescimento e liderança.

Aprendi o argumento num dos primeiros dias de escola primária: a professora Maria Alice -- a quem recebíamos com uma saudação de pé --, a pegar numa turma de primeiro ano de crianças entre os cinco e os quase sete anos que mal se conheciam, naquela primeira sala do rés-do-chão da escola do Matão, em Rio Maior. Nós, surpreendidos, acabados de chegar à primeira classe, não conhecíamos bem a expressão mas depressa percebemos: "Por um pagam todos" significava que as ações de cada um tinham influência no grupo. Por isso, de cada vez que um -- era necessário apenas um -- ousava no comportamento, respondia de forma mais inconsequente, ou conversava com o colega do lado e perturbava a aula, todos sentíamos o "efeito borboleta". O contrário, do bom, também era aplicável, mas acho que a professora

Assine para ler este artigo

Aceda às notícias premium do ECO. Torne-se assinante.
A partir de
5€
Veja todos os planos