Tecno-burros

O facto de o Governo acreditar que uma aplicação de smartphone deve ser tornada obrigatória para combater um problema social é exemplar da forma leviana com que a política entende a tecnologia.

Depois da apresentação da ideia peregrina de António Costa sobre a obrigatoriedade da app Stawayay Covid, já muito foi dito: a implicação constitucional e o seu impacto na liberdade já foram devidamente dissecadas, e também já não é preciso explicar que esta aplicação é por natureza contrária a uma eventual obrigatoriedade, porque alguns dos seus responsáveis já o fizeram a contento. O que ainda não foi devidamente discutido é o que está na origem deste pensamento bacoco que põe nas mãos da tecnologia a solução imediata para os problemas e as consequências sociais desse entendimento.

O que impressiona é, por um lado, a ignorância política sobre o risco de aplicar soluções tecnológicas genéricas a problemas de governação social, e por outro o desconhecimento sobre o país que se governa.

Presumir que a propriedade de um smartphone equivale a saber lidar com a tecnologia é o mesmo que esperar que todos os possuidores de canetas saibam escrever romances com a síntese e riqueza vocabular apropriadas à diversidade linguística do português. Pior, presumir que todos temos telemóveis capazes de utilizar devidamente esta app e que os elementos das forças policiais seriam capazes de efetivar este comportamento é algo tão risível que seria de esperar apenas numa conversa inconsequente numa qualquer rede social, não num governo responsável.

Aliás, há neste Governo um secretário de estado para a Transição Digital. Ele foi ouvido nesta questão? E o que disse? Ou, como se tratava de ‘uma cena para telemóveis’, o círculo próximo do primeiro-ministro achou que podia decidir sem ele? Do outro lado da bancada não estamos melhor.

A diatribe de Rui Rio no Twitter sobre a Stayaway Covid revelou penosamente quão longe de entender estas questões estão os partidos que dominam o espectro político. Em resumo, a nossa classe política espera que os portugueses estejam devidamente informados sobre as questões tecnológicas sem que:

  • a) lhes tenha sido proporcionado esse ensinamento, de modo formal ou informal;
  • b) eles próprios entendam minimamente do que estão a falar;
  • c) as estruturas do Estado tomem decisões conscientes sobre a utilização para o bem comum dessas mesmas tecnologias.

Há sete anos, Evgueni Morozov escreveu um livro presciente sobre o tecno-solucionismo. Graças à Fundação Francisco Manuel dos Santos, veio a Portugal explicar as suas ideias – que infelizmente não terão recebido políticos suficientes nas bancadas com disponibilidade para ouvir e entender do que ele estava a falar. E ele referia-se precisamente a esta ideia de que a tecnologia é a ferramenta que tudo resolve, especialmente na esfera pública, sem consideração pelas consequências dessas opções. É o mesmo argumento que levou as autoridades canadenses a entregarem à Google a gestão de uma cidade e algumas forças policiais americanas a confiarem num algoritmo para previsão de crimes que visava desproporcionadamente as comunidades mais pobres. São comportamentos que vão contra o que é fundamental numa sociedade livre e democrática e que decorrem da ignorância que nos leva a achar que tudo o que é tecnológico é bom e que a internet é tudo aquilo que é digital.

O que está aqui em causa é que, com a crescente importância da tecnologia na vida pública, precisamos desesperadamente de atores políticos que entendam o que está em causa e que saibam tomar opções que defendam as populações que os elegem. Não é necessariamente uma questão geracional, embora também o seja; mas é certamente uma questão de preparação para o que queremos que seja um governo moderno que prepare a sociedade pensando na tecnologia para lá das festas na Websummit.

Ler mais: O livro de Evgueni Morozov sobre o tecnosolucionismo chama-se To Save Everything, Click Here e é de leitura recomendada para entender este tema. Publicado em 2013, já mereceria uma nova edição graças à forma como as sua previsões se tornaram realidade e os seus alertas foram ignorados.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Tecno-burros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião