Um novo mundo

  • Ângela Morgado
  • 27 Março 2020

Olhem à vossa volta: cessou a atividade humana, mas a natureza permanece. Melhor, até se renova.

Escrevo-vos da minha sala, o meu novo escritório. Provavelmente, estão a ler as minhas palavras na vossa sala, o vosso novo escritório. Ouço os pássaros da janela, vejo o verde da janela e sinto a brisa fresca se a abrir. E sei que a vocês acontece o mesmo. Porque o mundo, como o conhecemos, está diferente.

Para alguém como eu que trabalha há 15 anos na área ambiental, os últimos 18 meses foram tempos excitantes. A discussão sobre a crise da natureza e da biodiversidade global atingiu níveis sem precedentes, e os efeitos das alterações climáticas foram primeira página em muitos media, contribuindo para que todos nós começássemos a valorizar mais a natureza e tudo o que ela nos dá.

Este era o super-ano para o ambiente, com múltiplas cimeiras a acontecer por todo o mundo, com o Pacto Ecológico Europeu a tomar forma, com greves climáticas e o foco das pessoas nas alterações climáticas, esse vilão que ameaçava todos os nossos futuros.

O mundo tem agora um novo vilão – e com a devida justiça. O coronavírus conseguiu aquilo que mais ninguém até hoje havia conseguido: travar o business as usual político, a indústria e todas as atividades que contribuem para o aquecimento global do planeta e para a destruição da natureza. É disruptivo e destruidor para os humanos – mas apenas para eles. Olhem à vossa volta: cessou a atividade humana, mas a natureza permanece. Melhor, até se renova.

A natureza é a base para a produção dos bens mais comuns e grande parte do nosso modo de vida. Os oceanos e os recifes de coral fornecem comida e meios de subsistência a centenas de milhões de pessoas. As florestas limpam o ar, regulam o clima local e retêm a água dos rios. Solos saudáveis ​​são essenciais para o cultivo. Montanhas e glaciares são as principais fontes de água dos principais rios. Cada vez mais, a fragilidade dos ecossistemas apresenta enormes riscos à estabilidade social e económica. Simplesmente, a natureza é a base de uma sociedade saudável, justa e próspera para todos.

Estima-se que os benefícios da natureza ascendam a 125 biliões de dólares por ano – o dobro do PIB mundial. Mas como todos podemos atestar neste momento, qual é o real preço de um passeio no jardim a respirar ar puro? 2020 vai ficar para a história pelos piores motivos – a pandemia e a situação de catástrofe social e sanitária que causou. Há muito que podemos já analisar e sobre o qual é imperativo refletir: a pandemia trouxe à luz a importância da ação imediata e preventiva; que os governos mundiais podem e devem dar largos passos para proteger as suas populações; que a cooperação internacional é fundamental para lidar com crises globais – estamos todos juntos, e trabalhando juntos podemos ter mais e melhores resultados.

Falta agora acrescentar a estas reflexões a reflexão sobre a importância da natureza. Se cuidarmos dela, ela cuida de nós. Um planeta em stress é um ecossistema menos resiliente, que põe pessoas, sociedades e economias em risco. É essencial ouvir mais os cientistas e especialistas que estudam a saúde do planeta, e fazer as ligações entre o equilíbrio dos ecossistemas, a saúde humana e a biodiversidade como forma de prevenir mais eventos destes no futuro.

Se dúvidas existissem sobre a importância vital da natureza, acredito que estas se irão dissipar. Milhões de pessoas em todo o mundo vão pensar mais na importância da natureza e como esta sustenta as suas vidas. Vão pensar mais na importância de continuar a alterar os seus comportamentos quotidianos, diminuindo a pressão sobre o nosso planeta e afetando a natureza positivamente.

Este novo mundo precisa que governos, empresas, instituições financeiras e sociedade civil se comprometam a parar e começar a reverter a perda da natureza, como uma defesa à saúde humana. Um novo acordo para a natureza e as pessoas está alicerçado num novo movimento para impedir a perda da natureza, e com isto, impedir a perda da saúde e de vidas humanas.

  • Ângela Morgado
  • Diretora Executiva ANP|WWF

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Um novo mundo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião