• Reportagem por:
  • Lusa

Douro reabre as portas ao turismo

Unidades hoteleiras do Douro começam a reabrir portas este mês proporcionando aos visitantes dias de “isolamento”. Piqueniques, passeios pelo campo e provas de vinho são algumas das sugestões.

Unidades hoteleiras do Douro começam a reabrir em maio proporcionando aos visitantes dias de “isolamento” em paisagens de vinhas e rio, atividades ao ar livre e apostando num reforço das medidas de higiene e segurança.

O Douro turístico fechou-se em março por causa da pandemia, numa altura em que estaria a arrancar a época alta na mais antiga região demarcada e regulamentada do mundo. Os cancelamentos e adiamentos das reservas sucederam-se e os hotéis fecharam as portas.

Agora, verifica-se uma reabertura gradual das unidades hoteleiras, restaurantes e lojas de vinho e há quem esteja a optar pelo funcionamento em regime de exclusividade. Os planos de retoma da atividade passam pela implementação de rigorosas medidas de higiene e segurança por causa do Covid-19.

A Quinta do Vallado reabre esta sexta-feira a Casa do Rio Wine Hotel, em Vila Nova de Foz Côa, a Quinta da Pacheca, em Lamego, na segunda-feira e a Quinta da Salada, também em Lamego, no dia 01 de junho. Todas elas já têm reservas feitas por portugueses.

“Não podemos estar parados. Temos de reabrir, mostrar às pessoas que estamos cá e estamos preparados, que tomamos todas as medidas necessárias e que o nosso cliente se pode sentir seguro”, afirmou à agência Lusa Cláudia Ferreira, diretora de turismo da Quinta do Vallado.

Também Leonor Osório, da Quinta da Salada, afirmou que “não era comportável” continuar de portas fechadas.

Sandra Dias, diretora-geral adjunta na Quinta da Pacheca, disse que as “pessoas estão com muita vontade de sair de casa” após os meses de confinamento e que as reservas estão a chegar para maio e meses seguintes.

Na Quinta do Vallado, a opção passou por reabrir primeiro a loja de vinhos virada para a rua na propriedade situada perto do Peso da Régua, entre vinhas e junto aos rios Douro e Corgo.

O Wine Hotel Casa do Rio, com seis quartos e duas suítes, em Vila Nova de Foz Côa, abre hoje e depois, a 29 de maio, os 13 quartos do Wine Hotel do Vallado.

“É uma abertura gradual e com muitos cuidados neste momento”, salientou.

Depois de anos de uma forte aposta nos turistas internacionais, o Douro aponta agora para o mercado interno. “Temos de nos readaptar”, salientou Cláudia Ferreira.

A proposta do Vallado passa pelos hotéis pequenos e mais reservados, com quartos virados para o exterior, refeições ao ar livre, piqueniques e reforço de atividades como banhos nas piscinas, ou nos tanques existentes na propriedade do Douro Superior, e ainda caminhadas, passeios de bicicleta ou de barco.

“Vamos apostar mais na oferta dos nossos piqueniques e das mochilas, para que as pessoas consigam tirar partido do campo”, salientou Cláudia Ferreira.

A adaptação à nova realidade exigiu a formação dos funcionários e passou também por submeter uma candidatura ao selo do Turismo de Portugal “Safe & Clean”.

Nas unidades hoteleiras, os funcionários usarão máscara, luvas, haverá álcool gel espalhado, a higienização será uma constante, os pequenos-almoços deixam de ser servidos em buffet, as mesas terão de cumprir o distanciamento de dois metros, o ‘check-in’ e o pagamento será preferencialmente ‘online’ e haverá ainda, em alguns destes espaços, a medição da temperatura dos hóspedes à chegada.

Do outro lado do rio Douro, na Quinta da Pacheca, localizada em Cambres, concelho de Lamego, ultimam-se os preparativos para a reabertura, na segunda-feira, do restaurante, da loja de vinhos, dos 15 quartos do Wine House Hotel e das 10 ‘wine barrels’, suítes dentro pipas de vinho de grande dimensão e que são, neste momento, a opção mais procurada.

“As ‘wine barrels’ têm esta característica física em que não há zonas comuns, não têm de passar em nenhum corredor, tudo é amplo, tudo é inserido no meio da natureza e contacto direto com a vinha”, salientou Sandra Dias.

A reabertura será, segundo a diretora-geral adjunta, feita de forma “muito gradual”, para adaptação dos colaboradores e dos hóspedes à “nova realidade” e “sobretudo com muita segurança” e “reforço das recomendações” da Direção-Geral da Saúde (DGS) e do Turismo de Portugal.

A ideia é ir ao encontro da vontade dos visitantes, pelo que as refeições podem ser servidas nos vários espaços ao ar livre existentes na propriedade, desde os ‘decks’ das ‘wine barrels’, esplanadas ou jardins.

As provas de vinhos serão feitas, preferencialmente, no exterior, e no meio dos 75 hectares de vinha é facilmente conseguido o recomendado distanciamento social.

“Queremos que eles saiam sobretudo felizes depois de tanto tempo de confinamento, sem poderem sair de casa, e usufruam do melhor que o Douro tem”, afirmou.

Por aqui a aposta passa também pelas atividades ao ar livre, as caminhadas pelas vinhas, pelos passeios de bicicleta e pelos piqueniques.

Sandra Dias referiu que a altura do encerramento coincidiu com “o início da época alta, em que tudo ia começar a acontecer e tudo fazia crer que ia ser um ano de bater recordes”.

Na Quinta da Salada, também em Lamego, o serviço de turismo rural vai ser prestado em regime de exclusividade para cada família ou grupo. A propriedade tem seis quartos e um deles ficará reservado preventivamente para um caso suspeito de Covid-19.

“Fizemos um inquérito nas redes sociais e achámos que era o mais indicado porque as pessoas estão com algum receio de se misturarem”, afirmou Leonor Osório à Lusa.

Desta forma é possível, reforçou, “garantir mais segurança para todos”, hóspedes, colaboradores e proprietários.

Para além do gel de desinfeção, luvas, máscaras e formação dos funcionários, foram também adquiridos aparelhos de ozono para higienizar os espaços.

“Garantem a desinfeção de 99,98% dos germes, Covid-19, bolor, fungos, garantem que o quarto fica completamente higienizado”, explicou.

A propriedade possui uma capela, um burro, propõe provas de vinhos e a piscina é exclusiva para os hóspedes.

“Já temos algumas reservas para junho, setembro e outubro. Já tínhamos duas antes da covid-19 que não desmarcamos e recebemos mais duas”, referiu.

A unidade de turismo abriu em setembro e fechou em março.

“Quando o Douro ia começar a ter hóspedes e tínhamos várias reservas, começaram a chover os cancelamentos. Comecei a ficar assustada com isto tudo e optei por fechar”, salientou Leonor Osório.

No Douro, muitos hotéis e unidades de enoturismo decidiram colocar os colaboradores em lay-off, estando agora a preparar-se para um regresso, faseado, à atividade que é uma das principais fontes de receita deste território.

Portugal encontra-se em situação de calamidade, depois de três períodos consecutivos em estado de emergência desde 19 de março, e está a concretizar, de forma faseada, o plano de desconfinamento e de retoma da economia.

Segundo o último boletim diário da Direção-Geral da Saúde (DGS) sobre a pandemia, Portugal contabiliza 1.184 mortos associados ao Covid-19 em 28.319 casos confirmados de infeção.

  • Lusa

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Douro reabre as portas ao turismo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião