Nos 100 anos, Barbot abre porta à nova geração. “É altura de ter gente nova no comando”, diz o CEO

De umas pequenas instalações no Porto, a Barbot tornou-se a terceira maior empresa do setor a nível nacional. Continua a crescer, mas de forma sustentável. E, em breve, terá uma nova geração ao leme.

A Barbot nasceu em 1920, no Porto. 100 anos depois está em entre as três maiores empresas do setor a atuar em Portugal. A história da Barbot é longa, mas repleta de glórias. Tudo começou pela mão de Diogo Barbot numas pequenas instalações em Santo Ildefonso, no Porto. Atualmente o grupo está presente em Espanha, Angola, Cabo Verde e Moçambique, e vende para mais de 25 países na Europa, África e América.

Hoje é dirigida por Carlos Barbot, neto do fundador, que está no comando da empresa há 39 anos. Confessa que todo o caminho traçado é sinónimo de esforço, dedicação e muito investimento.

O percurso da empresa foi marcado por momentos de glória, mas também de momentos trágicos. Neste século de história a Barbot enfrentou dois violentos incêndios, o primeiro no início da década de 80, no armazém no Porto e o segundo numa unidade de Laborim, em 2015. “Em 1981, a empresa quase que fechava devido a esse incêndio”, conta Carlos Barbot.

Quando a empresa começou produzíamos cerca de 600 toneladas de tinta por ano, hoje, se for necessário, produzimos essa quantidade num dia.

Carlos Barbot

CEO da Barbot

“Passámos por imensas dificuldades, mas acabámos por nos reinventar e singrar”, acrescenta o CEO. Depois do incêndio, a Barbot passou para a “casa” que ainda hoje ocupa, arrancando com uma série de aquisições e parcerias que lhe permitiram crescer. E, já em 2002, deu-se a abertura de uma nova fábrica em Canelas.

Toneladas e toneladas de tinta

Ao mesmo tempo que foi crescendo por aquisições, a Barbot modernizou-se, procurando dar resposta à crescente procura. Numa fase inicial todos os os processos eram feitos de forma manual, atualmente é quase tudo conduzido por máquinas.

Os processos de fabrico são praticamente todos automatizados, assentes nos pilares da indústria 4.0. Desde o enchimento da tinta ao embalamento final, sendo monitorizado pelos 180 colaboradores que a empresa emprega a nível nacional — são 350 no global.

Quando a empresa foi fundada produzia cerca de 600 toneladas de tinta anualmente, hoje produz 30 mil toneladas. O neto do fundador explica ao ECO que “só na fábrica em Canelas, Vila Nova de Gaia, conseguem produzir esse número por semana”. E se for preciso, é mesmo possível atingir esse número em apenas um dia. Muita tinta que gerou, no ano passado, um volume de negócios de 50 milhões de euros.

Foco no crescimento, mas sustentável

Crescer está nos genes da Barbot. Tem sido assim ao longo das últimas décadas, sendo que assim continuará a sê-lo daqui para a frente, mesmo com um século de vida “em cima”. Mas daqui em diante a prioridade vai para o investimento em investigação e desenvolvimento (I&D), sem esquecer a questão da sustentabilidade.

A aposta já está a dar frutos e a Barbot acaba de lançar uma tinta sustentável e torna-se na primeira empresa portuguesa a desenvolver uma tinta mais amiga do ambiente.

Este lançamento tem um sabor especial, já que é apresentado ao mercado no ano em que a Barbot comemora 100º aniversário. Para Carlos Barboteste é apenas mais um passo que a marca dá na inovação e na resposta às exigências do mercado atual”.

Quarta geração prepara-se para assumir as rédeas

Carlos Barbot lidera a empresa desde 1981, mas adiantou ao ECO que está a preparar-se para passar a pasta à próxima geração. Confessa que sai com sentimento de missão cumprida e que serão os seus filhos, Carlos e Diogo, e o sobrinho João Carlos a assumir as rédeas da empresa num futuro próximo.

Está na altura de ter gente nova no comando, uma nova geração com outra forma de pensar e ver o mundo”, explica o CEO. Carlos Barbot vai deixar o seu legado, mas acredita no potencial da quarta geração para continuarem a fazer história.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Nos 100 anos, Barbot abre porta à nova geração. “É altura de ter gente nova no comando”, diz o CEO

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião