Centenária Barbot vai lançar uma tinta sustentável

Barbot é a primeira empresa portuguesa a desenvolver uma tinta amiga do ambiente. Chama-se Barbot Nature, é feita à base de produtos renováveis em vez de combustíveis fósseis. Há 56 cores.

A Barbot, que conta com 100 anos de história, vai lançar uma tinta sustentável e torna-se, assim, a primeira empresa portuguesa a desenvolver uma tinta mais amiga do ambiente, a “Barbot Nature”. É uma tinta produzida com resina à base de produtos renováveis em vez de combustíveis fósseis. A utilização desta tinta ecofriendly permite a redução da emissão de dióxido de carbono para a atmosfera.

“A Barbot Nature foi desenvolvida durante um ano e meio pelo departamento de I&D, e estará disponível nas 21 lojas da Barbot a partir de abril”, explica ao ECO, Carlos Barbot, CEO da empresa.

Este produto é a primeira solução de uma linha de produtos sustentáveis que a Barbot está a desenvolver. A redução da pegada ecológica foi o principal foco da empresa ao desenvolver a “Barbot Nature”. Carlos Barbot, que está no comando da empresa há 39 anos, destaca que perante o cenário das alterações climáticas “temos que fazer um esforço para combater o aquecimento global e reduzir a pegada ambiental”.

A Barbot Nature está disponível em 56 cores.Barbot

Carlos Barbot explica ao ECO que o cliente ao usar uma lata de tinta (15 litros) da “Barbot Nature” está a permitir uma redução de 1,5 kg de emissão de dióxido de carbono e serão utilizados menos 1,5 kg de combustíveis fósseis”. Exemplifica: “Ao pintar um apartamento de 100 metros quadrados com a Nature Barbot o cliente consegue poupar 4,5 quilos de CO2 e serão utilizados menos 3 kg de combustíveis fósseis, o que acaba por contribui para uma menor poluição do ar”, refere o CEO da Barbot.

Num futuro próximo a empresa centenária, que emprega 180 colaboradores só em Portugal e conta com um volume de negócios de 50 milhões de euros, prevê, depois da “Barbot Nature”, apostar na criação de uma tinta retardadora de fogo. Isto ao mesmo tempo que prepara a entrada em novos mercados internacionais.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Centenária Barbot vai lançar uma tinta sustentável

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião