Repsol passa de lucro a prejuízo de 3.816 milhões

  • Lusa
  • 20 Fevereiro 2020

A espanhola Repsol registou um resultado líquido ajustado de 2.042 milhões de euros, menos 13% do que em 2018. Queda dos preços do crude e do gás natural ajudam a explicar essa evolução.

A Repsol registou um prejuízo de 3.816 milhões de euros em 2019, contra um lucro de 2.341 milhões de euros no ano anterior, após fazer provisões de 5.823 milhões de euros, anunciou a petrolífera espanhola, esta quinta-feira.

O resultado líquido ajustado (excluindo resultados extraordinários e provisões) foi de 2.042 milhões de euros, menos 13%, devido, nomeadamente, à queda dos preços do crude e do gás natural no mercado internacional, bem como a queda das margens na indústria, refere a multinacional em comunicado enviado à Comissão Nacional do Mercado de Valores (CNMV).

A Repsol, apesar do prejuízo reportado, mantém o compromisso de pagar um dividendo de um euro por ação no final deste ano e de amortizar 5% do capital para aumentar o valor das participações dos seus acionistas.

O resultado operacional manteve um ritmo positivo ao longo de 2019, situando-se em 5.837 milhões de euros, mais 8% do que no ano anterior, devido a “uma estratégia em que a companhia ultrapassou com êxito uma envolvente adversa” de preços baixos e margens inferiores.

O resultado operacional permitiu à Repsol avançar com a concretização do seu compromisso ativo em relação às alterações climáticas e, simultaneamente, manter a sua política de distribuição de dividendos.

Na área do negócio upstream (exploração e produção petrolífera) obteve um lucro ajustado de 1.050 milhões de euros, menos 20,8% face a 2018.

No domínio do negócio downstream (refinação e comercialização), a Repsol reportou que o resultado operacional líquido recuou 8% em 2019, na comparação com o ano precedente, penalizado pela menor contribuição das atividades de refinação, química, GPL e da comercialização de gás.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Repsol passa de lucro a prejuízo de 3.816 milhões

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião