Qual é o “peso” de ter meio milhão de euros nas mãos?

No Carregado está a fábrica e a reserva de dinheiro, e muito do ouro do país. É uma realidade diferente, em que o dinheiro é pesado em quilos e medido em cubicagem, e onde se sente o seu cheiro.

O dinheiro tem cheiro? A resposta inequivocamente é: “sim”. Não é fácil de descrever as características exatas do aroma, mas é impossível não o sentir. Vem de milhões de notas agrupadas em maços e mais maços, unidos entre si sobre a forma de grandes cubos forrados de plástico transparente e empilhados em prateleiras, enquanto junto ao chão e encostados à parede se amontoam caixas de madeira cheias de moedas.

Não fosse a valiosa mercadoria que alberga, o espaço facilmente se poderia confundir com o armazém de uma grande superfície comercial. Mas não. É a casa-forte onde simplesmente está armazenada a reserva fiduciária em numerário do país, e cuja gestão compete ao Banco de Portugal.

Aqui trabalhamos em cubicagem“, diz o responsável pelas operações com o numerário Banco de Portugal, guia durante uma das raras visitas que são permitidas ao Complexo do Carregado. A expressão é uma boa forma de descrever a dimensão do trabalho que lá é feito.

Visita dos vencedores do prémio Jacinto Nunes ao complexo do Banco de Portugal no Carregado - 11NOV19
Maços de notas de diferentes valores à espera para serem agrupadas com outras numa palete.Hugo Amaral/ECO

A cerca de 50 quilómetros de Lisboa, este complexo que é propriedade do Banco de Portugal está implantado numa área total de 67 mil metros quadrados, o equivalente a cerca de sete campos de futebol. É lá que está instalada a Valora, uma das dez fábricas habilitadas a produzir euros, e de onde saem atualmente grande parte das novas notas de 5 e de 20 euros que circulam no espaço do Euro. Mas onde se faz muito mais do que isso.

Antes de entrar no circuito da economia, as notas produzidas na Valora são guardadas na casa-forte junto com o excesso de liquidez que ao longo da semana para lá é encaminhado pelos bancos, através das empresas de transporte de valores, e cuja autenticidade e qualidade é avaliada dentro do complexo por máquinas e diferentes equipas de especialistas. É lá também que estão guardadas cerca de metade das reservas de ouro do país, a área que inicialmente mais desperta o interesse de alguns dos melhores alunos de Economia que saíram este ano das faculdades portuguesas — distinguidos no Prémio Professor Jacinto Nunes — que estão de visita ao complexo do Carregado.

Visita dos vencedores do prémio Jacinto Nunes ao complexo do Banco de Portugal no Carregado - 11NOV19
As notas que ainda não foram reunidas em palete são guardadas numa espécie de frigorífico.Hugo Amaral/ECO

Mas ainda antes de ver as reservas de ouro, o embate de entrar na casa-forte por si só já foi bastante impressionante para qualquer dos visitantes. Por um lado, pela relativa austeridade do espaço em si, um armazém iluminado com lâmpadas florescentes. Mas por outro, pela imagem surpreendente dos muitos milhões de euros que estão empilhados em paletes e que emanam o tal cheiro a dinheiro que inunda um tão grande espaço.

Surpreendido com a visão com que se depara, Jorge Mendes, o melhor aluno de Economia que saiu este ano da Universidade de Aveiro não hesita em perguntar: “quanto pode pesar cada um desses cubos?”. “Cada cubo com notas pesa cerca de 400 quilos, enquanto cada caixa de madeira com moedas pesa cerca de 700 quilos“, teve como resposta por parte do guia da visita.

Muito menos pesado, mas possivelmente bastante mais impressionante, foi o “peso” de poucos minutos antes ter tido nas mãos meio milhão de euros em notas de 500 euros. O pacote circulou entre os visitantes que praticamente não abriram a boca. Apenas esboçaram tímidos sorrisos perante a sensação única de sentir nas mãos as 800 gramas de um valor daquela grandeza.

Visita dos vencedores do prémio Jacinto Nunes ao complexo do Banco de Portugal no Carregado - 11NOV19
Notas de 500 euros que estão a ser retiradas de circulação no Eurossistema. Um pacote com 800 gramas com essas notas tem um valor de meio milhão de euros.Hugo Amaral/ECO

O “encontro em primeiro grau” com este pacote de dinheiro aconteceu logo à entrada do armazém da secção de saneamento, área onde todas as notas que entram “à confiança” no Complexo do Carregado são inspecionadas de forma a assegurar não só a sua qualidade como a sua autenticidade, antes da sua reentrada no sistema. No caso específico das notas de 500 euros, isto já não vai acontecer, já que estão a ser retiradas em definitivo de circulação em todo o Eurossistema.

O saneamento: o lugar onde “as máquinas não se enganam”

Já no que respeita ao saneamento em si, este é feito por um conjunto de quatro ou cinco máquinas alinhadas em fila, manuseadas cada uma delas por um operador. A cada um deles compete apenas colocar as notas dentro da máquina que depois se encarrega de separar as falsas das verdadeiras e as que não têm qualidade daquelas que são consideradas boas. “As máquinas não se enganam”, assegurou o responsável pelas operações com o numerário.

Estas conseguem processar 33 notas por segundo, enquanto as máquinas que selecionam as moedas que se encontram noutra sala têm uma capacidade de processamento de 45 moedas por segundo. Só no ano passado, por elas passaram cerca de 698 milhões de notas e 63 milhões de moedas.

O seu crivo acabou por chumbar no ano passado 127 milhões de notas, que acabaram finalmente por ser destruídas e incineradas, o grosso delas por já não terem qualidade para circular, enquanto uma pequena fatia por serem falsas.

Pelo filtro das máquinas do Carregado passou no ano passado um terço das cerca de 18 mil notas contrafeitas identificadas em Portugal. Essas notas falsas são analisadas por seis técnicos que põem em prática a sequência “tocar, observar e inclinar”, no caso das notas, e “tocar, observar e verificar”, no caso das moedas, verificando assim através de vários equipamentos numa espécie de laboratório os vários elementos que permitem avaliar a autenticidade ou não das notas e moedas. Se algumas apresentam traços facilmente identificáveis nessa análise, outros são mais difíceis.

O nível de detalhe com que é feita a análise das notas e das moedas que são recolhidas pelo Banco de Portugal não passa ao lado da curiosidade dos visitantes. “Olham para todas e não só para as que têm algumas suspeitas”, mostra-se surpreendida Madalena Gaspar, recém-licenciada em Economia pela Universidade Católica.

Já as notas e as moedas validadas como boas seguem para o armazém da saneamento, acabando por ir parar por fim à casa-forte.

Duas portas que escondem o brilho do ouro português

E é precisamente na casa-forte que está escondida a “joia” do Complexo do Carregado, por detrás de duas aparentemente simples portas de metal. É lá que estão cerca de metade das reservas de ouro do país.

Só nos filmes é que vi isso até hoje“, dizia Daniel Loureiro, recém-licenciado em economia pela Faculdade de Economia da Universidade do Porto, ainda antes de entrar no cofre do ouro português. Mas a realidade com que ele e os restantes visitantes se deparam é bastante diferente face à visão romântica dos filmes.

À entrada do local onde está guardado o ouro português não sobressai qualquer cheiro distintivo, nem sumptuosidade, mas sim novamente a austeridade do espaço em si. São cerca de 64 metros quadrados, pouco mais de metade dos quais ocupados por estantes em filas, onde as barras de ouro estão alinhadas lado a lado e em filas umas em por cima das outras.

Estão lá cerca de 170 toneladas de ouro, menos de metade da reserva de ouro nacional: 382,5 toneladas que estavam avaliadas no final de 2018 em cerca de 13,8 mil milhões de euros. O restante ouro está no Banco de Inglaterra, Banco de Pagamentos Internacionais e Reserva Federal dos Estados Unidos. No total, são mais de 14 mil barras, 13.666 são reservas nacionais, enquanto outras 406 constituíram parte do pagamento da chave de capital de Portugal junto do Banco Central Europeu.

O impacto de sentir nas mãos o peso do ouro português também é uma experiência única. É mais pesado do que eu estava à esperadiz Ana Tostão, que tal como os restantes visitantes pegou numa das barras que pesam entre 12 e 13 quilos cada. “É uma oportunidade única”, rematou a recém-licenciada em Economia pelo ISCTE. Uma oportunidade única para ela, mas também para muito poucos.

Por regra, e à parte algumas visitas excecionais, as portas do cofre do ouro apenas se abrem duas vezes por ano. Uma delas para limpar o espaço e a outra para fazer a auditoria. Mas há regras que têm de ser cumpridas sempre que alguém lá entra. Tem de haver uma autorização prévia por parte da administração do Banco de Portugal, e nunca podem estar dentro do cofre menos que quatro funcionários.

Já todos os visitantes têm de assinar um papel que serve de prova como estiveram dentro do cofre. Tudo em nome da segurança do ouro português. Questionado sobre os meios de segurança utilizados para guardar tão valiosa fortuna, a resposta é pronta, mas curta. “Todos os que possa imaginar”, diz o responsável pela segurança que acompanha a visita.

Comentários ({{ total }})

Qual é o “peso” de ter meio milhão de euros nas mãos?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião