Trabalhadores da Efacec saltam portões contra a “raposa dentro do galinheiro”premium

Na manifestação, o ECO ouviu criticas à direção de Ângelo Ramalho e queixas de quem vai à empresa "apertar meia dúzia de parafusos". "Estamos na empresa a gastar o dinheiro dos contribuintes”.

Sem matérias-primas, com a empresa praticamente parada e com o processo de reprivatização a avançar em ritmo lento, os trabalhadores da Efacec reclamam a demissão da atual administração, liderada por Ângelo Ramalho,e pedem que o Estado nacionalize a empresa. "Os trabalhadores não confiam na atual administração da empresa.O Estado permitiu que ficasse a administração anterior na mesma a gerir a empresa. Nas palavras dos próprios trabalhadores, o Governo deixou a raposa dentro do galinheiro",conta ao ECO, Sérgio Sales, dirigente do Sindicato dos Trabalhadores das Indústrias Transformadoras, Energia e Atividades do Ambiente do Norte (Site-Norte). Centenas de trabalhadores da Efacec realizaram na quarta-feira uma greve de duas horas à porta da sede da empresa, em São Mamede de Infesta. Na

Assine para ler este artigo

Aceda às notícias premium do ECO. Torne-se assinante.
A partir de
5€
Veja todos os planos