Verdes propõem deduzir transportes no IRS

  • Lusa
  • 21 Setembro 2016

Verdes vão propor ao Governo deduções no IRS pelo uso de transporte coletivo, mais 50 vigilantes florestais e atenção especial às isenções de TSU.

“Os Verdes” (PEV) vão propor ao Governo socialista, nas conversações sobre o Orçamento do Estado para 2017 (OE2017), deduções no IRS pelo uso de transporte coletivo, mais 50 vigilantes florestais e atenção especial às isenções de TSU. Em declarações à Lusa, a líder parlamentar ecologista, Heloísa Apolónia, disse que tais medidas não estão ainda acertadas com o Executivo de António Costa, mas vão estar sobre a mesa até 15 de outubro, data para a apresentação do documento final.

O PEV pretende que haja, à semelhança das despesas com educação, saúde e outras, deduções à coleta em sede de IRS dos bilhetes e passes dos transportes coletivos para “incentivar a sua utilização, tendo em conta não só as alterações climáticas e necessidade de reduzir os gases com efeito de estufa, mas também garantir uma mobilidade sustentável e maior qualidade de vida às pessoas nas cidades”.

Depois de mais uma época de incêndios com efeitos devastadores na floresta portuguesa, “Os Verdes” defendem o aumento em 50 pessoas dos “vigilantes da natureza”, ficando por definir a forma como este contingente extra seria integrado e em que instituição, por exemplo no Serviço de Proteção da Natureza e do Ambiente (SEPNA/GNR) ou noutra estrutura.

Outra ideia avançada pelos ecologistas é o reforço do combate à fraude e evasão do pagamento da Taxa Social Única (TSU) por parte das empresas e a reavaliação da forma como várias isenções são concedidas a título de benefícios por diversos objetivos atingidos pelas entidades empresariais.

Heloísa Apolónia estimou uma “poupança de mais de 500 milhões de euros” para o país no caso de esta última medida ser levada a cabo, segundo “uma ponderação feita” pelos especialistas do PEV sobre o assunto.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Verdes propõem deduzir transportes no IRS

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião