Capoulas Santos quer frango nacional nos mercados asiáticos

O ministro da Agricultura, Luís Capoulas Santos, afirmou hoje que os mercados asiáticos são prioritários para a indústria nacional de aves, com destaque para a China, Vietname e Camboja.

O assunto foi abordado na manhã de sexta-feira, na reunião que Capoulas Santos manteve com o comissário europeu da Agricultura, Phil Hogan, que deu conta das iniciativas europeias que estão a ser feitas neste sentido, designadamente no Vietname e na Indonésia.

O ministro da Agricultura adiantou que o Governo tem em curso mais de 150 processos de abertura de mercados para diversos produtos, onde se inclui a carne de frango, numa vintena de países.

São mercados com uma enorme população, onde há uma classe média emergente e portanto quer no pano bilateral, quer no contexto da União Europeia, a abertura de novos mercados é uma preocupação muito grande do governo português

Ministro da Agricultura, Luís Capoulas Santos

O mercado chinês é a “grande aposta” para o frango, mas os restantes mercados asiáticos são vistos como “grandes oportunidades, mais até do que os mercados sul-americanos”, onde a concorrência é maior e os custos de produção são bastante mais baixos do que na Europa, adiantou Capoulas Santos.

O comissário Phil Hogan disse hoje, durante a sua intervenção na Assembleia-Geral da AVEC, que a Comissão Europeia “está a desenvolver grandes esforços para aumentar o acesso do agroalimentar europeu aos mercados”, incluindo o setor das aves.

Já foi concluído um acordo com o Vietname, que dará acesso ao setor das carnes, em 2018, a um mercado com 90 milhões de pessoas, foram iniciadas negociações em maio com as Filipinas e este mês com a Indonésia, adiantou o responsável europeu.

Segundo Capoulas Santos, a indústria das aves emprega em Portugal 20 mil pessoas e é excedentária em termos de carne de frango, ultrapassando em mais de 3% as necessidades internas.

Os portugueses são os maiores consumidores europeus de carne de frango fresca (29 quilos anuais para uma média europeia de 23 quilos per capita).

Editado por Mariana de Araújo Barbosa.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Capoulas Santos quer frango nacional nos mercados asiáticos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião