Pressão. Ações do Deutsche Bank afundam para novo mínimo histórico

Títulos do Deutsche Bank continuam a derreter valor perante receios dos investidores. Agora foram vários fundos a reduzir exposição ao banco alemão.

O Deutsche Bank continua sob forte pressão. As ações não param desvalorizar tendo atingido, esta sexta-feira, um novo mínimo histórico. Estão a afundar quase 10%, colocando pressão em todo o setor na Europa.

O banco alemão continua no olho do furacão. Enfrenta uma multa milionária nos EUA — de 12 mil milhões de euros, embora tenha provisionado ‘apenas’ cinco mil milhões para fazer face a custos judiciais –, e perante uma situação de dificuldade em aumentar capital, os mercados já falam abertamente num resgate público, uma ideia que já foi afastada pelo governo alemão e pelos próprios responsáveis do banco.

A explicar a nova onda vendedora sobre os títulos do Deutsche Bank está a redução da exposição ao banco por parte de alguns hedge funds que negoceiam derivados e outros produtos financeiros complexos com o Deutsche Bank, uma notícia avançada ao final da tarde desta quinta-feira pela Bloomberg.

Os títulos do Deutsche Bank estão a cair 6,76% para 10,14 euros. Chegaram a perder um máximo de 9% para os 9,89 euros, o valor mais baixo de sempre. O valor de mercado do banco situa-se nos 13,8 mil milhões de euros, não muito longe do valor da multa que as autoridades norte-americanas pretendem aplicar. O banco perde 55% em bolsa, em 2016.

Evolução das ações do Deutsche Bank em setembro

Fonte: Bloomberg (Valores em euros)
Fonte: Bloomberg (Valores em euros)

“Os nossos clientes de trading estão entre os investidores mais sofisticados do mundo. Confiamos que a maioria deles tem um conhecimento total da nossa estabilidade financeira, o ambiente macroeconómico atual, o processo judicial nos EUA e os progressos que estamos a registar com a nossa estratégia”, referiu um porta-voz do banco alemão, citado pela Bloomberg, numa tentativa de acalmar os mercados.

Entre os hedge funds que cortaram exposição ao problemático banco alemão está o fundo Millennium Partners, que gere ativos no valor de 34 mil milhões de dólares, a Rokos Capital Management (quatro mil milhões) e Capula Investment Managment (14 mil milhões). Embora a grande maioria dos mais de 200 clientes de trading não tenha alterado a sua posição no banco, as reduções operadas por estes hedge funds vieram colocar as ações do Deutsche Bank sobre maior pressão vendedora.

"Os nossos clientes de trading estão entre os investidores mais sofisticados do mundo. Confiamos que a maioria deles tem um conhecimento total da nossa estabilidade financeira, o ambiente macroeconómico atual, o processo judicial nos EUA e os progressos que estamos a registar com a nossa estratégia.”

Porta-voz do Deutsche Bank

Bloomberg

“A principal questão é que não há confiança em relação ao banco“, afirmava Chris Wheeler, analista da Atlantic Equities, à Bloomberg. “O pensamento dominante neste momento é: o Deutsche Bank está bem, mas há uma ligeira possibilidade de não estar, por que razão devo manter o meu dinheiro aqui?“.

 

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Pressão. Ações do Deutsche Bank afundam para novo mínimo histórico

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião