Em atualização Hart e Holmström vencem Nobel da Economia

  • Leonor Rodrigues
  • 10 Outubro 2016

Oliver Hart e Bengt Holmström foram esta segunda-feira distinguidos com o Nobel da Economia 2016. Para a atribuição do prémio foi considerado o trabalho dos economistas sobre as teorias contratuais.

Oliver Hart, Professor na Universidade de Harvard, e Bengt Holmström, Professor no Instituto de Tecnologia de Massachusetts. São estes os dois economistas distinguidos com o prémio do Banco da Suécia em Ciências Económicas –- conhecido como Nobel da Economia. Sucedem a Angus Deaton com o trabalho sobre as teorias contratuais.

nobel-1

Os dois autores foram distinguidos pela Real Academia Sueca das Ciências pelo seu trabalho sobre a Teoria Contratual, considerado “valioso para o entendimento dos contratos da vida real e das instituições, assim como os seus perigos no projeto contratual”, refere a Academia.

Hart, de 68 anos de idade, têm vários artigos publicados e o seu principal trabalho é o livro “Empresas, Contratos e Estrutura Financeira” (1995). Além de Professor Universitário, o economista já foi presidente da Associação Americana de Direito e Economia e vice-presidente da Associação Americana de Economia. Em meados dos anos 80, Oliver Hart contribuiu para um novo ramo da teoria do contrato que lida com contratos incompletos. O seu trabalho forneceu novas ferramentas teóricas para analisar questões como quais os géneros de empresas que se devem fundir ou quando é que as instituições (como escolas ou prisões) devem ser públicas ou privadas.

Holmström, 67 anos, foi diretor do Departamento de Economia da Universidade de Massachusetts de 2003 a 2006 e foi eleito membro estrangeiro da Real Academia Sueca das Ciências. É membro do Comité Executivo do Centro Pesquisa de Política Económica, em 2011, foi presidente da Sociedade Económica e é atualmente formador na Nokia Corporation. No final dos anos 70, Holmström teorizou sobre o que seria a melhor forma de se elaborar um contrato entre a empresa e outros agentes e, mais tarde, voltou a este estudo e elaborou um modelo para cenários mais realistas.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Hart e Holmström vencem Nobel da Economia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião