E o Nobel da Economia vai para…

Olivier Blanchard, o antigo economista-chefe do FMI, é um dos mais fortes candidatos ao Nobel da Economia 2016. Surge destacado juntamente com dois economistas americanos.

No final de 2012, em plena crise das dívidas soberanas, o então economista-chefe do Fundo Monetário Internacional (FMI), o francês Olivier Blanchard, sugeriu que os efeitos dos planos de austeridade que estavam a ser implementados sobretudo por alguns países da Zona Euro, incluindo Portugal, poderiam ter sido subestimados pelas instituições que fazem previsões económicas. Na prática, Blanchard chegou à conclusão de que o impacto da consolidação orçamental estava a ser bem mais grave do que era esperado, com consequências para o crescimento económico e para o emprego, desafiando algumas das políticas que o próprio FMI havia recomendado. Motivou uma séria discussão em torno dos famosos multiplicadores. Comissão Europeia e Banco Central Europeu (BCE) foram alguns dos críticos ao trabalho do economista francês.

Com vários estudos sobre o tema, incluindo o popular artigo “Growth Forecast Errors and Fiscal Multipliers”, Blanchard, 67 anos, é apontado como forte candidato ao Prémio do Banco da Suécia para as Ciências Económicas em Memória de Alfred Nobel — conhecido como Nobel da Economia — cujo vencedor será anunciado em Estocolmo, Suécia, esta segunda-feira, 10 de outubro. Surge como o favorito à sucessão a Angus Deaton, galardoado em 2015

Para a ScienceWatch, uma consultora da Thomson Reuters que, para prever o Nobel, utiliza um modelo que considera, entre outras variáveis, a popularidade dos papers entre a comunidade científica, além do economista francês, estão na pole position outros dois economistas norte-americanos: Edward P. Lazear e Marc J. Melitz.

International Monetary Fund’s Chief Economist Olivier Blanchard speaks during the World Economic Outlook (WEO) press conference, October 8, 2008 at the IMF Headquarters in Washington DC. The world economy is entering a major downturn in the face of the most dangerous financial shock in mature financial markets since the 1930’s, according to the WEO. © IMF Staff Photographer Eugene Salazar
Da esquerda para a direita: Marc J. Melitz, Edward P. Lazear e Olivier Blanchard.

Pelo desenvolvimento do campo distintivo da economia dos recursos humanos, Lazear, 68 anos, tem como trabalho principal um estudo publicado em 1981 no Journal of Political Economy, “Rank-Order Tournaments as Optimum Labor Contracts”, onde analisa diferentes sistemas de compensações aos trabalhadores de determinada empresa. A extensa investigação académica deste professor de economia da Universidade de Stanford centra-se sobretudo nos incentivos aos trabalhadores, promoções, compensações e produtividade nas empresas.

Quanto a Marc Melitz, 48 anos, surge destacado pela ScienceWatch devido às “descrições pioneiras acerca da heterogeneidade das empresas e comércio internacional“. O professor de Economia de Harvard explicou como as trocas comerciais internacionais podem afetar a vida das empresas no seu trabalho mais citado, “The Impact of Trade on Intra-Industry Reallocations and Aggregate Industry Productivity”.

Segundo Melitz, a exposição ao comércio induz apenas as empresas mais produtivas a entrar no mercado de exportações internacionais (enquanto outras menos produtivas continuam a produzir apenas para o mercado doméstico) e força ao mesmo tempo a saída das empresas menos produtivas. Adicionalmente, empresas com maior exposição às exportações tendem a realocar recursos dentro da empresa com ganhos na produtividade.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

E o Nobel da Economia vai para…

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião