Obama vai dedicar-se a projetos educativos quando deixar a Casa Branca

  • Lusa
  • 12 Outubro 2016

O Presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, abandona o cargo a 20 de janeiro. Vai, depois, dedicar grande parte do tempo a iniciativas educativas.

O Presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, revelou na terça-feira que, quando deixar a Casa Branca, a 20 de janeiro, dedicará grande parte do tempo a iniciativas educativas com crianças, como “My Brother’s Keeper” ou “Let Girls Learn”.

Obama participou num fórum estudantil organizado pelo canal televisivo ESPN na Universidade Agrícola e Técnica do estado da Carolina do Norte. Um dos estudantes que participou no fórum perguntou a Obama sobre o que pensava fazer quando deixasse a presidência.

“Vou dormir durante duas semanas”, brincou o Presidente, acrescentando que após acordar desse longo sono vai tirar “umas férias muito bonitas” com a mulher. Depois, explicou, deseja dedicar grande parte do seu tempo a programas educativos como “My Brother’s Keeper”, que criou em 2014, e “Let Girls Learn”, promovido pela primeira-dama.

“Let Girls Learn” é um programa para promoção do acesso à educação para 62 milhões de meninas que atualmente não frequentam a escola em todo o mundo.

Michelle Obama lançou em março a segunda fase do programa, que consiste em “instar as pessoas a não se preocuparem apenas com o problema, mas a fazerem alguma coisa em relação a ele”.

Através de uma página na Internet, Michelle Obama convidou “professores, estudantes, pais e mães” a organizarem eventos que sirvam para consciencializar a comunidade e, ao mesmo tempo, angariar fundos para a iniciativa.

“[É] a possibilidade de serem mentores de um menino de oito ou dez anos que vive aqui. Talvez não tenha pai, não tenha muito. Estão a prestar-lhe atenção (…), levam-no a ver um jogo, perguntam-lhe como se está a sair na escola. Isso é revolucionário

Barack Obama

Presidente dos EUA

Com “My Brother’s Keeper”, o Presidente norte-americano pretende combater o fracasso escolar entre os meninos hispânicos e afro-americanos, bem como dar-lhes mais oportunidades.

O programa, para o qual Obama recrutou a ex-estrela de NBA Earvin “Magic” Johnson, pretende que jovens se envolvam como mentores ou tutores de crianças pertencentes a minorias, além de promover a colaboração público-privada nessa tarefa.

Cerca de 250 comunidades de todo o país inscreveram-se no “My Brother’s Keeper”. Na terça-feira, Obama encorajou os jovens universitários participantes no fórum a envolverem-se como mentores de meninos em risco.

“[É] a possibilidade de serem mentores de um menino de oito ou dez anos que vive aqui. Talvez não tenha pai, não tenha muito. Estão a prestar-lhe atenção (…), levam-no a ver um jogo, perguntam-lhe como se está a sair na escola. Isso é revolucionário”, afirmou o Presidente.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Obama vai dedicar-se a projetos educativos quando deixar a Casa Branca

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião