Câmara do Porto reduz IMI em 10%

  • Lusa
  • 14 Outubro 2016

Imposto Municipal sobre Imóveis desce para 0,324 em 2017.

A Câmara Municipal do Porto confirmou hoje a descida do Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI) em 10% para 0,324% em 2017, ano para o qual o orçamento camarário prevê um aumento de 47,3% no investimento.

“Em termos globais, o orçamento prevê um crescimento de 17,9%, face a 2016, no montante de 37 milhões de euros, fixando-se em 244,2 milhões de euros”, refere o comunicado da autarquia sobre o orçamento para o próximo ano, a ser discutido e votado na próxima quarta-feira.

“Nos principais objetivos estratégicos da autarquia encontram-se o Ambiente e Qualidade de Vida com cerca de 28 milhões de euros, a Coesão Social com 24 milhões de euros (dos quais 17,8 milhões se referem a habitação social), o Urbanismo e Reabilitação Urbana com cerca de 19 milhões, a Economia e Emprego com 13 milhões e Cultura com cerca de seis milhões”, acrescenta o documento.

Como já havia adiantado em setembro e visto desde então a proposta ser apoiada pelo Conselho Municipal de Economia, o presidente da Câmara Municipal do Porto, Rui Moreira, confirma assim que a redução do IMI na cidade vai ser de 10%, o que pode representar menos 4,3 milhões para a autarquia.

A proposta relativa ao IMI de 2017, ano de eleições autárquicas, prevê também uma “majoração em 30% a taxa de IMI aplicável aos prédios urbanos degradados, considerando-se como tais os que face ao seu estado de conservação não cumpram satisfatoriamente a sua função ou façam perigar a segurança de pessoas e bens”.

Sobre o orçamento para o próximo ano, a câmara refere que “o investimento, no total de 68,2 milhões de euros, representa um aumento de 47,3% relativamente ao orçamento de 2016, destacando-se os investimentos no âmbito da coesão social, na reabilitação/requalificação urbana”.

O orçamento camarário inclui ainda a transferência de 1,7 milhões de euros “no âmbito do novo modelo de gestão da Sociedade de Transportes Coletivos do Porto (STCP)”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Câmara do Porto reduz IMI em 10%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião