Wall Street avança com lucros do Goldman Sachs

Banca norte-americana continua a dar motivos para os investidores sorrirem. Lucro do Goldman Sachs disparou cerca de 50%, animando as hostes em Wall Street.

Continua a surpreender pela positiva os resultados dos bancos norte-americanos. Esta terça-feira foi o Goldman Sachs a impressionar: o lucro disparou quase 50% até quase dois mil milhões de dólares, batendo as previsões dos analistas. Em reação, as ações do banco subiam 1,66% para 171,81 dólares. Entre os grandes bancos dos EUA, já só falta o Morgan Stanley prestar contas ao mercado.

Neste contexto, o índice de referência mundial S&P 500 subia 0,7% para pontos, o nível mais elevado. Também o industrial Dow Jones e o tecnológico Nasdaq ganhavam 0,57% e 0,93%, respetivamente.

Além do setor financeiro, também as tecnológicas começam a reportar resultados. Foi o caso da Netflix, cujas ações valorizavam 18,24%, depois de ter mostrado um aumento acentuado no número de subscritores, devido sobretudo ao sucesso de séries como Stranger Things e Narcos, aliviando os receios dos investidores em relação a um abrandamento do seu negócio de vídeo online. Já a IBM cedia 3,6% depois de ter anunciado uma quebra das margens pelo quarto trimestre seguido.

No plano macroeconómico, foi hoje revelado que os preços na maior economia do mundo registaram o maior crescimento em cinco meses em setembro, deixando a taxa de inflação mais perto do objetivo da Reserva Federal norte-americana, que é de perto de 2%. Mais um motivo para Janet Yellen, presidente da Fed, começar a inverter a política expansionista nos EUA.

“O facto de estarmos a falar da normalização das taxas de juro e de o mercado não cair, isso é muito poderoso para mim”, referiu Patrick Spencer, da Robert W. Baird, citado pela Bloomberg. ” A Fed só vai aumentar as taxas se a economia estiver sólida o suficiente para absorver uma subida. Na minha opinião, os investidores vão iniciar a transição para um ambiente alimentado pelos resultados das empresas face a um ambiente dominado pelos juros”, reforçou este analista.

"O facto de estarmos a falar da normalização das taxas de juro e de o mercado não cair, isso é muito poderoso para mim. Fed só vai aumentar as taxas se a economia estiver sólida o suficiente para absorver uma subida. Na minha opinião, os investidores vão iniciar a transição para um ambiente alimentado pelos resultados das empresas face a um ambiente dominado pelos juros.”

Patrick Spencer

Analista da Robert W. Baird

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Wall Street avança com lucros do Goldman Sachs

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião