AT&T e Time Warner caem. Wall Street sobe

As duas empresas vão protagonizar uma das maiores fusões do mundo. As ações caíram, mas o setor valorizou. Wall Street fechou positivo.

As fusões e aquisições foram a alegria dos investidores nas bolsas norte-americanas durante esta segunda-feira. Os três principais índices subiram, refletindo o otimismo dos investidores com o sinal positivo que estas operações trazem ao mercado.

O S&P 500 valorizou 0,5% para os 2.151,20 pontos, fechando num máximo de há duas semanas numa altura em que a temporada de apresentação de resultados vai a meio. O avanço deve-se às fusões e aquisições anunciadas para algumas empresas, nomeadamente a compra da Time Warner pela AT&T.

Além do negócio da AT&T, houve mais movimentações: assistiu-se a um avanço da Rockwell Collins para a compra da fornecedora de componentes de aviões B/E Aerospace e foi fechado o acordo da TD Ameritrade Holding para comprar a corretora online Scottrade Financial Services.

“Os clientes gostam de ver aquisições e fusões porque isso significa que as empresas estão otimistas quanto ao futuro. Há um otimismo que circunda os vários acordos estabelecidos num só dia”, afirma Michael Antonelli, o diretor gerente da Robert W. Baird & Co., citado pela Bloomberg.

No entanto, a AT&T caiu para um mínimo de oito meses (recuou 1,68%). Também a Time Warner (caiu mais de 3%) sofreu uma desvalorização depois da subida do final da semana passada com a especulação à volta da aquisição. Porém, o resto do setor animou com subidas da Amazon, Yahoo, Tesla Motors, Xerox, Microsoft e HP e o índice tecnológico Nasdaq valorizou 1% para os 5.309,83 pontos.

O índice industrial Dow Jones subiu 0,43% para os 18.223,03 pontos.

A Boeing, que fechou a ganhar 1,34%, a Alphabet (grupo da Google, fechou a valorizar 1,42%) e a Apple (ganhou 0,9%) vão anunciar os resultados esta semana.

Editado por Paulo Moutinho

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

AT&T e Time Warner caem. Wall Street sobe

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião