Orçamento passa no primeiro teste: BE e PCP aprovam documento na generalidade

  • Margarida Peixoto
  • 24 Outubro 2016

O OE/2017 já tem aprovação garantida no primeiro voto parlamentar, agendado para 4 de novembro. Mas tanto o PCP como o BE querem fazer alterações na especialidade.

O primeiro teste está ultrapassado: tanto o PCP como o Bloco de Esquerda vão aprovar a proposta de Orçamento do Estado para 2017, na generalidade. Depois do anúncio, no fim de semana, de Catarina Martins, Jorge Cordeiro, membro do comité central dos comunistas, confirmou também o voto favorável do PCP ao documento.

Em declarações à TSF, esta segunda-feira, Jorge Cordeiro assumiu que vê “alguns elementos positivos” na proposta orçamental do Governo e confirmou o voto favorável. Contudo, defendeu que algumas medidas são insuficientes e avisou que em alguns dossiers, como é o caso das questões sobre administração pública, o PCP quer “ir mais longe”.

Há dois dias, a coordenadora do Bloco de Esquerda confirmou o mesmo sentido de voto favorável: “No deve e no haver, em 2017, quem vive do trabalho será mais respeitado e, por isso, o BE vai votar a favor na generalidade”, disse, no encerramento de uma conferência nacional do partido, na Faculdade de Ciências de Lisboa.

Desta forma, a proposta do Governo já tem aprovação garantida na generalidade, uma votação que está agendada para 4 de novembro.

A discussão vira-se agora para a especialidade, onde os dois partidos de esquerda assumem que querem fazer alterações ao OE/2017. Em foco estão as matérias da eliminação progressiva da sobretaxa de IRS e as pensões, para além da Função Pública, conforme adiantou Jorge Cordeiro.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Orçamento passa no primeiro teste: BE e PCP aprovam documento na generalidade

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião