Um orçamento com um lado B

Bruxelas não impediu António Costa de mudar a austeridade e de apostar nos pensionistas. Afinal, há alternativa e os resultados só podem ser imputados ao governo.

O lado A da proposta de Orçamento do Estado para 2017 já é conhecida, a continuidade de uma estratégia orçamental que mantém a austeridade, mas muda-a de sítio, que continua a apostar nos rendimentos, agora dos pensionistas, e que não deu os melhores resultados este ano. Mas tem um lado B, a virtude de mostrar que a Europa não é um obstáculo às escolhas do governo.

Vamos, então, partir do princípio que o excel de Mário Centeno está correto, como não esteve este ano. Vamos admitir que o défice deste ano será mesmo de 2,5%, mesmo com receitas extraordinárias. Vamos admitir que a procura externa dirigida à economia portuguesa vai ser mesmo a que está prevista para 2017, mais 4,9%. E vamos dar como fiável todos os pressupostos, que, como se sabe, não foram cumpridos em 2016.

Muitas vezes, a Europa e particularmente a Comissão Europeia são apontadas como a razão de todos os males dos portugueses e da nossa economia, das contas públicas desequilibradas, do défice e da dívida – que continua a aumentar. Da economia estagnada durante anos. E a essa tese surgia a necessidade de ter políticas alternativas. Agora, essas políticas estão aí e os seus resultados poderão ser analisados nessa perspetiva.

Se no primeiro orçamento de António Costa, o governo ainda ensaiou um confronto com Bruxelas, que correu mal e obrigou-o a aumentar impostos indiretos para garantir um défice de 2,5% este ano, neste segundo orçamento a estratégia é outra. Para 2017, Costa assume as escolhas que quer fazer, mesmo sem ir tão longe como gostariam o BE e o PCP, mas cumpre, pelo menos no excel, as exigências de Bruxelas. Um objetivo de défice de 1,6% e uma redução do défice estrutural de 0,6 pontos, como decorre das exigências do Tratado Orçamental.

Dito de outra forma, como aliás, o ministro Mário Centeno disse em entrevista ao Jornal de Negócios, o governo não discute com Bruxelas “pensões ou impostos sobre a classe média ou a classe alta”. Pois não, assim cai a tese de que Bruxelas quer resultados e quer impor também o caminho para lá chegar. Até as medidas em concreto.

Seguramente, Bruxelas gostaria de outro caminho, porque este não dá nenhuma garantia de futuro. Mas se cumpre as metas de défice ano a ano, isso, como é evidente, tem de ser mesmo uma opção de cada governo em cada país. Senão, estaríamos mesmo uma Europa Federal. Ainda não estamos.

Bruxelas impõe metas, António Costa incorporou-as no orçamento. E por isso, porque queria ganhar o apoio dos pensionistas, este é um orçamento deles, depois do orçamento dos funcionários públicos, o Governo diferiu a eliminação da sobretaxa de IRS, aumentou impostos indiretos e criou até um novo imposto sobre o património, eufemisticamente denominado de ‘adicional de IMI’.

A TINA (There Is No Alternativa) afinal, é um mito. Há alternativa. O problema é outro, e por isso é que este orçamento tem pelo menos uma virtude. Os resultados económicos deste orçamento só poderão ser assacados a Costa, a Catarina Martins e a Jerónimo de Sousa. Como os de 2016.

O orçamento de 2017 é um instrumento de engenharia financeira com preocupações eleitorais e não um plano de incentivo à captação de investimento e emprego, ao crescimento económico. É um orçamento para um ano, se calhar menos ainda, é um orçamento de resistência, à espera do desgaste da oposição à Direita e domesticação à Esquerda. Pedro Passos Coelho não tem discurso alternativo, Catarina Martins e Jerónimo de Sousa não têm discurso de diferenciação na igualdade dentro da geringonça.

É justo reconhecer, se o Governo cumprir a meta de défice público de 2,5% este ano, isso será importante para a credibilidade do país no exterior, para garantir a continuação do acesso aos mercados a um custo suportável. Se reduzir ainda mais o défice em 2017, melhor. Mas, de que forma e a que preço?

O caminho que o governo está a seguir, e que continuará no próximo ano, permite dominar o défice no curto prazo, mas estrangula a economia e por isso a dívida pública continua ‘a mostrar os dentes’. Se a economia não voltar a crescer mais do que o défice, o nosso caminho será insustentável. Outra vez. Mais cedo do que tarde. E não é preciso chamar o diabo.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Um orçamento com um lado B

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião