Desemprego em Espanha abaixo dos 20%

  • Ana Luísa Alves
  • 27 Outubro 2016

Desemprego em Espanha cai para níveis inferiores a 20% no terceiro trimestre do ano, contrariamente às expetativas dos analistas.

No momento em que o atual primeiro-ministro Mariano Rajoy está perto de formar Governo, após meses de impasse político, o desemprego em Espanha caiu para o valor mais baixo dos últimos seis anos, devido ao aumento do emprego no setor dos serviços.

O desemprego caiu para os 18,9% no trimestre que se encerra em setembro, revelou o Instituto Nacional de Estatística espanhol esta quinta-feira. É uma descida dos 20% no segundo trimestre do ano, e mais baixo também que os analistas da Bloomberg, que previram uma queda do desemprego espanhol para os 19,3% no segundo trimestre. O número de espanhóis sem emprego caiu para os 4,3 milhões, depois de, durante a crise em 2013, ter estado nos seis milhões.

Estes novos números vão impulsionar, segundo a Bloomberg, a formação do Governo por parte do primeiro-ministro, que pode ainda esta semana voltar a assumir o cargo que já desempenha, mesmo depois de o Partido Socialista espanhol, o PSOE, ter dito que se ia abster na segunda votação da investidura de Rajoy.

No último ano, a economia espanhola viu nascer mais de 400 mil novos postos de trabalho, segundo o comunicado do INE, uma vez que a incerteza política também foi diminuindo e houve algum benefício proveniente do turismo, que contou com mais visitantes no país. O setor dos serviços foi o que mais postos de trabalho viu surgir, com mais de 178 mil empregos novos. O inverso aconteceu com a agricultura, e a indústria cresceu de modo mais lento.

Dados recentes mostram ainda que o crescimento da economia espanhola possa crescer 0,7% no terceiro trimestre, de acordo com uma pesquisa da Bloomberg, embora este valor represente um ligeiro recuo do valor do trimestre anterior, em que se verificou um crescimento económico de 0,8%.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Desemprego em Espanha abaixo dos 20%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião