O que separa Portugal de Bruxelas? Não é física quântica, mas quase

  • Margarida Peixoto
  • 27 Outubro 2016

O que separa Portugal de Bruxelas na discussão sobre o ajustamento do défice estrutural não é física quântica, mas quase. João Leão garantiu ao ECO que o problema não está no valor das medidas.

Nas contas do Governo português, as medidas do Orçamento do Estado para 2017 cortam o défice estrutural em 0,6 pontos. Mas nas contas de Bruxelas, as mesmas medidas cortam o défice em pouco mais de zero. Como é que isto é possível? O secretário de Estado do Orçamento, João Leão, disse ao ECO que a culpa é dos cálculos sobre a economia. Não é física quântica, mas quase.

Para perceber o que separa o ponto de vista de Portugal, do entendimento da Comissão Europeia sobre o OE2017, não basta ler a carta enviada por Valdis Dombrovskis e Pierre Moscovici ao ministro das Finanças português. Até porque a carta é suficientemente vaga para acrescentar motivos, se for caso disso, durante o diálogo entre as autoridades comunitárias e as portuguesas: “O pior número dado pela proposta apresentada por Portugal está relacionado com a comparação de um cenário macroeconómico menos otimista projetado pela Comissão e pelo facto de algumas medidas anunciadas não estarem suficientemente especificadas”, diz o documento.

Confrontado pelo ECO, João Leão explicou que a diferença fundamental está na estimativa da dimensão do efeito do ciclo económico no crescimento da economia. Por outras palavras, Bruxelas está a desvalorizar o potencial da economia portuguesa. Ou seja: quando se projeta o crescimento de uma economia, há uma parte desse crescimento que é devida aos efeitos do ciclo económico. E outra que diz respeito ao potencial da própria economia.

O valor do PIB potencial depende da dimensão que se atribui ao efeito do ciclo económico no crescimento. E o PIB potencial é o indicador que serve de base para calcular o saldo orçamental estrutural: quanto mais baixo for o PIB potencial, maior será o peso do défice estrutural.

Ora, Bruxelas está a atribuir uma parte maior do crescimento do próximo ano ao ciclo económico, do que o Governo, que defende que há um contributo maior do potencial da economia.

João Leão, secretário de Estado do Orçamento

Esta diferença resulta, sobretudo, do facto de o Governo utilizar a mesma metodologia que foi usada para construir o Programa de Estabilidade, defendendo que deve ser assim que se estima o PIB potencial porque o Orçamento do Estado para 2017 deve ser entendido como uma parte desse exercício mais lato, que é o Programa de Estabilidade.

Já a Comissão está a utilizar outra metodologia: há uma diferença no número de anos que são considerados para fazer a estimativa, confirmou João Leão.

O resultado é um défice estrutural, aos olhos da Comissão, pior do que os 1,1% que o Governo está a projetar. E, por isso, o esforço de ajustamento está a ser avaliado como sendo menor.

João Leão garantiu ainda que, ao contrário do que aconteceu no âmbito do Orçamento do Estado para 2016, desta vez não é o valor do impacto atribuído às medidas de consolidação que está a ser questionado por Bruxelas. Ambos aceitam o valor total do pacote de medidas identificado pelo Executivo, assegura o governante. Pelo menos, por enquanto.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

O que separa Portugal de Bruxelas? Não é física quântica, mas quase

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião