Rui Moreira: “Taxa turística será um tema interessante na campanha eleitoral”

Rui Moreira, presidente da Câmara do Porto não se quer comprometer com a taxa turística e diz que "é um tema interessante para a campanha eleitoral". Para o ano "não haverá taxa turística no Porto".

O presidente da Câmara Municipal do Porto não se quer comprometer com a taxa turística, pelo menos para já. Rui Moreira afirmou hoje, durante uma conferência de imprensa que teve lugar na Câmara do Porto, no final de uma reunião com Fernando Medina, presidente da autarquia de Lisboa que “a taxa turística será um tema interessante para a campanha eleitoral”.

Rui Moreira garantiu porém que “no próximo ano não haverá taxa turística no Porto”. Moreira afirmou ainda que ouviram “a experiência de Lisboa” e voltou a frisar que defende que “a taxa turística atenue a pegada turística”. O presidente da autarquia referiu que é bom frisar que “a cidade do Porto já tinha perdido muita população pelo que não foi o turismo que expulsou os habitantes do centro da cidade”.

Sobre a reunião com Fernando Medina, a terceira que já foi realizada entre os dois autarcas e respetivas equipas serviu sobretudo para afinarem baterias e para solicitarem uma reunião conjunta ao primeiro-ministro António Costa. Os dois autarcas querem ter uma palavra a dizer sobre o processo de descentralização a apresentar pelo Governo ainda este ano. Nesse sentido Medina e Moreira anunciaram ter em preparação um documento conjunto com os pontos de vista das cidades.

Fernando Medina adiantou que “é importante que o Governo avance com rapidez no programa de descentralização”. Questionado sobre o que constará no documento, Rui Moreira frisou que entre as áreas prioritárias “está uma maior flexibilização e transparência no Imposto sobre os Imóveis (IMI), a desburocratização e facilitação da contratação pública e ainda questões como o ambiente e proteção de dados”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Rui Moreira: “Taxa turística será um tema interessante na campanha eleitoral”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião