Gasóleo vai registar forte queda. Agradeça à OPEP

Os preços dos combustíveis vão baixar na próxima semana. A gasolina fica mais barata, mas a maior descida será no gasóleo. Vai ter uma das maiores reduções deste ano à custa da queda do petróleo.

Tem carro? E o depósito está quase a chegar ao fim? Tente fazer render o combustível até ao arranque da próxima semana. É que os preços vão recuar, tanto da gasolina como do gasóleo. A maior descida será sentida no diesel: pode registar a maior queda desde o início do ano à boleia da descida dos preços do petróleo nos mercados internacionais. Há margem para uma queda de mais de três cêntimos, de acordo com cálculos do ECO.

Tanto a gasolina como o gasóleo afundaram nos mercados, acompanhando a tendência de queda registada pelo petróleo. Depois de subir com o acordo para o corte na produção, as difíceis negociação entre os países da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) associada à expectativa de que o cartel esteja a produzir a níveis recorde levou o barril a afundar para menos de 45 dólares.

Esta forte desvalorização da matéria-prima fez-se sentir especialmente nas cotações do diesel. A cotação média semanal do gasóleo nos mercados caiu 8,3%, a maior queda desde as primeiras semanas deste ano. Com base nos cálculos do ECO, há assim margem para que o valor por litro do gasóleo possa encolher em mais de três cêntimos, corrigindo parte das subidas registadas nas últimas semanas.

Tendo em conta o preço médio atual do gasóleo simples, de 1,189 euros, segundo a Direção Geral de Energia e Geologia (DGGE), há margem para que o litro baixe para valores em torno dos 1,16/1,17 euros, voltando aos preços registados no arranque de outubro. Já a gasolina poderá baixar da fasquia dos 1,40 euros, a confirmar-se a redução em torno de um cêntimo.

A gasolina ainda disparou no arranque da semana, fruto da explosão no oleoduto que transporta os combustíveis nos EUA, mas acabou por recuar nas últimas sessões com a queda do petróleo. O preço médio semanal, em euros, baixou 3,2%, abrindo a porta a um alívio, ainda que ligeiro, na hora de pagar a conta no posto de abastecimento.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Gasóleo vai registar forte queda. Agradeça à OPEP

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião