Negociações entre EUA e Deutsche Bank com “bons progressos”

Caso haja um acordo para baixar o valor da multa, as perspetivas ficarão mais positivas depois de se ter chegado a falar num resgate do Estado alemão.

As negociações estão a ter “bons progressos”. A classificação é de um membro da administração do banco alemão citado pela Bloomberg. Apesar de reconhecer que a situação é difícil, o resultado final das conversações pode dar uma folga às contas e rácios do banco.

Depois de o Deutsche Bank ter surpreendido tudo e todos com lucros no terceiro trimestre, há mais uma notícia boa. As negociações com o Departamento de Justiça dos Estados Unidos estão a ter “bons progressos entre as últimas quatro a cinco semanas”. Em causa está a multa de 14 mil milhões de dólares relacionada com a venda ilegal de instrumentos financeiros na altura da crise do subprime.

“Esta é uma situação realmente difícil para nós”, admitiu Christian Sewing, um dos gestores do maior banco alemão numa conferência em Hamburgo. O anúncio da coima castigou o Deutsche Bank, mas o banco recuperou. Caso haja um acordo para baixar o valor da multa, as perspetivas ficarão mais positivas depois de se ter chegado a falar num resgate do Estado alemão.

Esta é a altura de restaurar a confiança dos investidores e abater a incerteza à volta de todo o processo. “Fizemos erros (…) mas agora estamos a tentar chegar a um acordo justo e estou muito confiante que isso vai acontecer”, afirmou Sewing.

Desde o início de 2008 que o Deutsche Bank já pagou 10,5 mil milhões de dólares em multas, de acordo com os cálculos da Bloomberg. No final de setembro, o banco alemão tinha 5,9 mil milhões de euros reservados para assuntos judiciais.

Editado por Mónica Silvares

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Negociações entre EUA e Deutsche Bank com “bons progressos”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião