Petróleo abaixo dos 45 dólares com novo recorde de produção da OPEP

Sondagem da Bloomberg antecipa que, contrariamente ao previsto, a produção de petróleo por parte da OPEP terá aumentado, em outubro. Preços do petróleo recuam para mínimos de cinco semanas.

O petróleo está sob pressão. O barril da matéria-prima está a negociar abaixo da fasquia dos 45 dólares, em Nova Iorque, numa altura em que a OPEP não dá sinais de conseguir travar o excedente de produção de petróleo.

O barril de crude desliza 1,9%, para os 44,48 dólares, em Nova Iorque, enquanto o barril de Brent perde 1,43%, para os 46,19 dólares, ambos para mínimos de cinco semanas. Um recuo que acontece depois de uma sondagem da Bloomberg ter antecipado que a produção da OPEP, contrariamente ao desejado, atingiu um novo recorde em outubro.

De acordo com a sondagem da agência de notícias realizada junto de analistas e petrolíferas, o cartel terá produzido 34,02 milhões de barris de petróleo diários, em média, durante o mês de outubro. Trata-se de um máximo histórico. Esta subida terá ido suportada pelo aumento de produção da Líbia, da Nigéria e do Irão, segundo justifica a Bloomberg.

Preços do petróleo em queda

Fonte: Bloomberg
Fonte: Bloomberg

Um aumento que poderá parecer surpreendente, tendo em conta que a OPEP está a negociar um acordo que visa precisamente estabelecer um teto de produção que permita travar o excedente da matéria-prima disponível no mercado.

A contribuir para o avanço das cotações do “ouro negro” está ainda um relatório da Administração de Informação de Energia, dos EUA, que indica que os inventários cresceram em 14,4 milhões de barris na semana passada.

"A discórdia está a crescer dentro da OPEP e existe uma crescente suspeita de que nada irá sair dos próximos encontros.”

Kyle Cooper

IAF Advisors.

“A discórdia está a crescer dentro da OPEP e existe uma crescente suspeita de que nada irá sair dos próximos encontros”, salienta Kyle Cooper, diretor de research da norte-americana IAF Advisors.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Petróleo abaixo dos 45 dólares com novo recorde de produção da OPEP

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião