Quem sai a ganhar com Hillary Clinton?

Votou em Hillary Clinton ou está à espera de uma vitória dos democratas nas próximas presidenciais norte-americanas? Consumo, renováveis, defesa e farmacêuticas são setores com maior margem de ganhos.

O aumento do salário mínimo por hora, dos 7,25 dólares para os 12 dólares, proposto pela candidata democrata Hillary Clinton não agrada às empresas. Bom, nem a todas. O retalho é um dos setores que pode beneficiar com o aumento do rendimento das famílias. Além disso, promete alargar o Obamacare a mais utentes com benefício para o setor farmacêutico. Ao contrário de Trump, concentra mais atenção à energia renovável, potenciando o setor. Mas como Trump, Defesa também é setor sensível para Clinton.

  • Consumo

A retalhista Walmart ou fabricantes de produtos domésticos como a Procter&Gamble e Johnson & Johnson são alguns exemplos de cotadas do setor do consumo que poderão beneficiar com o aumento do salário mínimo que Hillary Clinton propõe. Para a XTB, esta atualização salarial “deverá traduzir-se no aumento do volume de consumo de bens básicos”.

  • Farmacêuticas

Há a intenção de alargar o plano de saúde implementado por Barack Obama, o ‘Obamacare’, o que aumentaria o número de utentes norte-americanos com acesso a cuidados de saúde. Neste cenário, as empresas do setor farmacêutico beneficiariam com um eventual aumento da procura, potenciando assim as ações da Pfizer ou da Allergan.

  • Energias renováveis

Entre os planos de Hillary Clinton está a instalação de mais de 500 milhões de painéis solares em menos de quatro anos. Este apoio da candidata democrata à energia verde “daria um grande impulso ao setor”, diz a XTB, que recomenda a aposta em títulos da empresa de energia renovável First Solar.

  • Elétricas

Não há a expectativa de mudanças drásticas na política energética caso Hillary lidere os EUA. Embora tenha sido um dos mais prejudicados pelas alterações regulatórias, o setor deverá assistir a um período de estabilização de receitas com Clinton ao leme. A XTB recorda que as empresas do setor costumam ser generosas na remuneração aos acionistas. Por há, importa ter em conta empresas como a Duke Energy e a FirstEnergy.

  • Defesa e aeronáutica

Se há tema sensível na opinião norte-americana, esse tema é a defesa. Segundo os analistas da XTB, “Hillary tem-se revelado mais agressiva do que Obama quanto ao uso da força militar”. Por isso, ações de empresas como a United Technologies ou Boeing poderão beneficiar com a eleição de Clinton para a Casa Branca. De resto, não é estranho à XTB que foi a candidata democrata que “mais donativos recebeu deste setor”.

"Hillary tem-se revelado mais agressiva do que Obama quanto ao uso da força militar.”

XTB

Eleições nos EUA - Relatório Económico

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Quem sai a ganhar com Hillary Clinton?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião