As três apostas do Facebook para os próximos dez anos

Mike Schroepfer, CTO do Facebook, abriu o primeiro dia de conferência e falou em três prioridades da empresa para a próxima década.

Mike Schroepfer, CTO do Facebook, veio a Lisboa falar de futuro. “Estão preparados? Vamos a isso”, desafiou em pleno palco principal do dia 1 de Web Summit. O responsável pela área tecnológica do Facebook partilhou a visão a dez anos de uma das empresas mais poderosas do mundo. “São estes os maiores problemas que estamos a tentar resolver para o futuro”, sublinhou.

“Este é o futuro: a possibilidade de conectar com as pessoas com quem nos preocupamos mesmo que estejam a milhares de quilómetros. É por isso que estou tão entusiasmado com o futuro”.

Mike Schroepfer

CTO Facebook

  1. Conectar mil milhões de pessoas que não têm internet. “Existem 1,4 mil milhões de pessoas no mundo sem acesso à internet e o que queremos é que elas se juntem a esta conversa”, disse Mike Schroepfer. Para o CTO do Facebook, com acesso à internet qualquer pessoa pode ser um broadcaster de vídeos em HD. “A conectividade acontece tão rápido para todas as pessoas do mundo. É preciso trazer as vozes de quem não tem para a conversa entre todos”, garante. Projetos como o Open compute project ou o Telecom infra project são alguns dos exemplos a assinalar neste processo.
  2. Inteligência artificial. O Facebook tem trabalhado nos últimos anos em projetos também ligados à inteligência artificial. Todos os dias, o mundo partilha dois milhões de fotografias via Facebook, Mike diz que esse número revela uma “revolução na computação e nos computadores, que agora permite até a uma pessoa que não veja possa participar na partilha e consiga comunicar através do Facebook, graças ao poder da inteligência artificial”.
  3. Realidade virtual. Em apenas 30 segundos, estamos e deixamos de estar. “Este sentimento de presença” é a principal característica da realidade virtual, outra das apostas do Facebook para os próximos dez anos. “Num instante estamos no topo de um edifício prestes a cair, ou numa casa de uma família num país distante”, acrescenta. O desafio, neste caso, é outro: “Como podemos trazer a realidade virtual para o mundo? Como podemos tornar esta tecnologia mais barata e disponível para todos?”, questiona. Para isso, o Facebook tem desenvolvido projetos como o Oculus rift, o gearVR e o Standalone. “É com este tipo de tecnologia que acreditamos que pode trazer a realidade virtual às massas”, explicou, perante uma plateia de cerca de 9.000 pessoas, segundo números da organização.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

As três apostas do Facebook para os próximos dez anos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião