Centeno: “Temos rejeitado liminarmente discussões sobre reestruturação da dívida”

  • Margarida Peixoto
  • 8 Novembro 2016

Centeno respondia perante os eurodeputados sobre os riscos que a economia portuguesa enfrenta. O ministro foi ouvido no Parlamento Europeu sobre a possibilidade de congelamento de fundos estruturais.

Rejeição liminar: é esta a posição do ministro das Finanças, Mário Centeno, sobre a possibilidade de encetar negociações de reestruturação da dívida portuguesa — pelo menos, em Bruxelas. Esta garantia do ministro foi dada esta sexta-feira, perante o Parlamento Europeu. Mas no final da semana passada, perante o Parlamento português, em Lisboa, o ministro tinha admitido que os juros da dívida portuguesa estavam demasiado altos e que era preciso agir no contexto europeu.

Centeno em Bruxelas: “Temos vindo a rejeitar liminarmente discussões sobre a reestruturação da dívida. O excedente nominal é a forma mais eficaz de redução do peso da dívida”. Centeno em Portugal: “É necessário que Portugal tenha uma redução da taxa de juro que paga”, mas “essa discussão só pode ser tida no contexto europeu.”

Esta sexta-feira, o ministro das Finanças respondia perante os eurodeputados sobre os motivos pelos quais Portugal não deve ser sujeito a uma suspensão de fundos estruturais, apesar de não ter cumprido a meta do défice em 2015. Depois da apresentação inicial do ministro, uma eurodeputada quis saber a posição do Governo português sobre a questão da reestruturação da dívida, tendo sublinhado os riscos que as contas públicas portuguesas enfrentam, bem como o perigo de uma revisão em baixa do rating da República.

A maioria dos eurodeputados manifestou-se solidário com Portugal — e com Espanha, cujo ministro das Finanças, Luis de Guindos, tinha acabado de ser ouvido sobre o mesmo assunto — defendendo que a suspensão dos fundos não faz sentido. Ainda assim, houve quem quisesse saber como é que se justificava que Portugal crescesse tão menos do que Espanha ou como é que um país com dificuldades orçamentais opta por reduzir a semana de trabalho aos funcionários públicos.

Na resposta, Centeno explicou que as empresas portuguesas sofreram com o arrefecimento de mercados emergentes mas que, ainda assim, têm conseguido aumentar as suas quotas de mercado. Sobre a função pública, o ministro sublinhou os sacrifícios que estes trabalhadores fazem desde 2009 e notou que o aumento só afetará “uma parte” das administrações públicas.

“Pena seria imposta sobre cidadãos e empresas”

Na sua intervenção inicial, Centeno defendeu que suspender os fundos estruturais a Portugal seria “uma pena diretamente imposta sobre cidadãos e empresas e não sobre o Governo”.

Mário Centeno recordou os argumentos que levaram o Conselho a cancelar a aplicação de multas a Portugal por não ter atingido a meta do défice em 2015 e defendeu que suspender agora os fundos comunitários não teria qualquer racional: “Nem político, nem económico”, frisou.

Suspender os fundos estruturais “destruiria a confiança dos portugueses na Europa. Isso não pode acontecer e por isso não vai acontecer”, disse o ministro português. E pediu aos eurodeputados que usassem a sua “legitimidade democrática para aconselhar a não suspensão dos fundos”.

(Notícia atualizada às 18h55)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Centeno: “Temos rejeitado liminarmente discussões sobre reestruturação da dívida”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião