Parlamento Europeu discute sanções a Portugal

  • Lusa
  • 3 Outubro 2016

O Parlamento Europeu discute hoje com a Comissão Europeia, à margem da sessão plenária e pela primeira vez, a possível suspensão de fundos estruturais a Portugal e Espanha.

O Parlamento Europeu (PE) discute hoje com a Comissão Europeia, à margem da sessão plenária e pela primeira vez, a possível suspensão de fundos estruturais a Portugal e Espanha, no chamado ‘diálogo estruturado’, com caráter consultivo.

Na audição, os comissários europeus Corina Cretu (Política Regional) e Jyrki Katainen (Crescimento, Emprego e Investimento) vão responder às questões dos eurodeputados das comissões parlamentares do Desenvolvimento Regional (Regi) e dos Assuntos Económicos (Econ) sobre as implicações que a suspensão de fundos estruturais poderá ter nas economias portuguesa e espanhola e o cumprimento das metas fixadas para a dívida e o défice em ambos os países.

Da comissão Regi faz parte Fernando Ruas (PSD) e a Econ integra Marisa Matias (BE, como coordenadora), Pedro Silva Pereira (PE) e Miguel Viegas (PCP).

No debate irão ainda intervir os coordenadores das comissões parlamentares da Agricultura, Orçamento (José Manuel Fernandes, PSD), Emprego (Sofia Ribeiro, PSD) e Pescas.

Após a audição pública, os presidentes, vice-presidentes e coordenadores das comissões parlamentares Regi e Econ vão reunir-se à porta fechada, a partir das 20:00, (19:00 em Lisboa), para decidir se será convocada uma nova reunião com a Comissão, transmitindo essa informação à Conferência dos Presidentes do PE.

Este órgão deverá tomar uma decisão sobre eventuais próximas etapas na quinta-feira, em Estrasburgo.

O executivo comunitário só depois deste ‘diálogo estruturado’ com o PE – que tem hoje lugar pela primeira vez – elaborará uma proposta, mas a decisão cabe ao Conselho de Ministros das Finanças da UE (Ecofin).

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Parlamento Europeu discute sanções a Portugal

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião