Sanções teriam “consequências menos danosas” do que a suspensão dos fundos

Mário Centeno escreveu na carta aos eurodeputados que o congelamento dos fundos seria mais danoso do que as sanções. Na carta defendeu que "há motivos ainda mais fortes" para não congelar fundos.

O ministro das Finanças afirmou na carta que as sanções teriam “consequências menos danosas” do que a suspensão dos fundos europeus. “Na realidade, uma vez que a multa teria consequências menos danosas do que a suspensão dos ESIFs, há motivos ainda mais fortes para decidir não aplicar quaisquer sanções neste momento”, argumentou Mário Centeno na carta datada de 14 de setembro, à qual a Lusa teve acesso.

Centeno escreve ainda que a decisão do congelamento dos fundos europeus deve apoiar-se nos mesmos motivos que serviram para não aplicar sanções a Portugal e Espanha. “Todas essas razões se mantêm e são plenamente aplicáveis ao presente procedimento, que foi desencadeado pela mesma situação”, defendeu. Uma decisão contrária, afirma o titular das Finanças, “seria contraditória com a argumentação para cancelar a multa e muito difícil de entender pelos cidadãos europeus”.

Além disso, Mário Centeno apoia-se na situação económica e social de Portugal, nomeadamente o desemprego – superior em Portugal em relação à média da UE -, para realçar o “impacto da suspensão na economia”. Uma decisão a favor da suspensão dos fundos europeus seria “injusta e contraprodutiva”.

“A mera possibilidade de uma suspensão de fundos apenas aumentaria a incerteza que os agentes económicos enfrentam, com previsíveis efeitos no investimento, no crescimento e, consequentemente, na saúde das finanças públicas“, escreveu o ministro das Finanças. Além das contas públicas, Mário Centeno apontou os efeitos negativos do congelamento na implementação do Programa Nacional de Reformas e no Programa de Estabilidade.

Porém, Centeno admitiu já estar focado na meta do défice imposta pela Comissão Europeia de 2,5% e não pela meta de 2,2% inicialmente previstos. “E tornaria muito mais difícil cumprir o Pacto de Crescimento e Estabilidade, numa altura em que o Governo está a implementar as medidas necessárias para atingir um défice de 2.5% em 2016, o que permitirá a Portugal sair do Procedimento por Défice Excessivo (PDE)”, argumentou. Pode ler a carta na íntegra aqui.

A meta de 2,5% estava prevista no relatório do Orçamento do Estado para 2016 nas piores previsões com uma subida de 0,8% do PIB, menos de metade dos 1,8% previstos inicialmente.

Secretária de Estado dos Assuntos Europeus diz que Centeno enviou carta na semana passada

O ministro das Finanças escreveu aos eurodeputados das comissões de Assuntos Económicos e Monetários e do Desenvolvimento Regional para evitar a suspensão dos fundos europeus. Na carta enviada na semana passada, Mário Centeno chamou à atenção das comissões do Parlamento Europeu (PE) para o impacto dessa medida na economia portuguesa, anunciou esta terça-feira a secretária de Estado dos Assuntos Europeus, Margarida Marques, em Bruxelas.

“Houve uma carta do ministro das Finanças [Mário Centeno] a todos os deputados europeus da comissão Regi [Desenvolvimento Regional] e da Econ [Assuntos Económicos e Monetários], em que este explica os argumentos que encontra para considerar que a suspensão dos fundos seria injustificada e contraproducente”, declarou Margarida Marques. O objetivo é ter o PE do lado do Governo quando existir o apelidado “diálogo estruturado” com a Comissão Europeia.

Este diálogo tem caráter consultivo, mas é importante para a decisão final sobre a suspensão dos fundos. Tanto que Margarida Marques garantiu que o Governo está disponível para prestar esclarecimentos aos eurodeputados. “Por alguma razão esta fase se chama ‘diálogo estruturado’, é porque se pretende recolher toda a informação necessária para uma orientação ou decisão”, argumentou a secretária de Estado dos Assuntos Europeus.

Apesar de a carta ter sido enviada na semana passada, fonte parlamentar disse à Lusa que a carta em questão ainda não foi distribuída aos eurodeputados que integram as comissões.

O processo de congelamento parcial de fundos é automático, no quadro do processo de sanções derivados do Procedimento por Défice Excessivo, e é independente da suspensão da multa ocorrida em agosto. Segue agora o diálogo estruturado nas instituições europeias. Este deve acontecer nas duas próximas semanas.

A discutir o assunto vão também estar quatro eurodeputados portugueses, nomeadamente Fernando Ruas (PSD) da comissão de Desenvolvimento Regiona e Pedro Silva Pereira (PS), Miguel Viegas (PCP) e Marisa Matias (BE) da comissão de Assuntos Económicos e Monetários.

Editado por Mónica Silvares

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Sanções teriam “consequências menos danosas” do que a suspensão dos fundos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião