Exportações portuguesas com melhor resultado de sempre

  • Lusa
  • 8 Novembro 2016

O ministro dos Negócios Estrangeiros aponta para um ano recorde de exportações, mas defende a necessidade de as empresas explorarem novos mercados.

O ano de 2016 será o melhor para as exportações portuguesas, que terão crescido 3%, segundo estimativas do Governo, disse Augusto Santos Silva, ministro dos Negócios Estrangeiros. Ainda assim, defendeu a necessidade de diversificar os mercados externos.

O ministro intervinha numa audição nas comissões parlamentares de Negócios Estrangeiros e Comunidades Portuguesas e de Orçamento, Finanças e Modernização Administrativa, no âmbito da discussão na especialidade da proposta do Orçamento do Estado para 2017.

As exportações portuguesas terão mais uma vez em 2016 o melhor resultado de sempre“, em termos reais, referiu Augusto Santos Silva, que acrescentou que a estimativa do Governo aponta para um crescimento de três por cento, o que representa uma “redução do ritmo de crescimento face a 2015, mas significa também crescimento”.

Mesmo em termos nominais, “o saldo melhorou”, sublinhou o ministro, que referiu que “isso é muito importante, porque permite consolidar estruturalmente o equilíbrio económico”.

Santos Silva destacou que as trocas com a Europa “continuam a crescer consolidadamente”, recordando que o espaço europeu representa “mais de dois terços das exportações e importações” portuguesas.

“As exportações [para a Europa] cresceram 5% em termos nominais, cresceram mais em termos reais, e o nosso saldo positivo cresceu 183% até agosto”, disse.

As exportações portuguesas têm “dois problemas bem localizados”: Angola e Brasil, devido à quebra nos mercados internos.

O governante apontou a necessidade de acompanhar as empresas portuguesas que atuam nestes países.

“É essencial manter a nossa presença nesses mercados quando eles estão em circunstâncias difíceis e fazer ver que não somos mercenários da relação económica, estando presentes quando os mercados estão bem e abandonando-os logo à mínima dificuldade”, disse.

Santos Silva recordou que, em setembro, se realizou uma “missão política e empresarial muito importante” ao Brasil e revelou que, nos primeiros dias de dezembro, irá a Angola para “preparar a reunião de alto nível entre o Estado angolano e o Estado português”.

Por outro lado, é preciso “insistir mais em mercados que ainda são pequenos para a dimensão da qualidade das relações bilaterais”, casos do Canadá e Argentina.

O ministro disse ainda que Portugal deve “reforçar os mercados” onde já foram criadas oportunidades para as empresas portuguesas, entre os quais México, Coreia do Sul ou países do Magrebe.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Exportações portuguesas com melhor resultado de sempre

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião