Revista de imprensa internacional

  • Rita Atalaia
  • 9 Novembro 2016

Hoje o tema nos jornais internacionais é apenas um: a vitória de Donald Trump nas eleições norte-americanas. Destaque ainda para a inflação chinesa e défice de Espanha.

The face of Donald Trump, U.S. president elect, sits on the cover of Forbes magazine, published by Forbes Media LLC, among other media publications for sale at a newsstand in Kursky railway station in Moscow, Russia, Nov. 9, 2016. The ruble dropped as Donald Trump won the U.S. presidential race, driving down crude prices on concern his protectionist policies will sap global growth. Photographer: Andrey Rudakov/Bloomberg
The face of Donald Trump, U.S. president elect, sits on the cover of Forbes magazine, published by Forbes Media LLC, among other media publications for sale at a newsstand in Kursky railway station in Moscow, Russia, Nov. 9, 2016. The ruble dropped as Donald Trump won the U.S. presidential race, driving down crude prices on concern his protectionist policies will sap global growth. Photographer: Andrey Rudakov/Bloomberg

Hoje há um tema inevitável: a vitória de Donald Trump nas eleições presidenciais norte-americanas. O resultado não era esperado por todas as publicações internacionais em papel. Isto fez com que o The York Times já fosse na segunda edição, enquanto outros jornais optaram por títulos mais neutrais. No online, os olhos estão todos virados para os EUA e a acompanhar de perto. Para além do resultado das eleições, há outra questão que hoje se destaca: a derrocada dos mercados. O Expansión fala mesmo do pior dia para o índice espanhol Ibex desde o Brexit.

Financial Times

Panama Papers: Mais de 30 pessoas e empresas estão a ser investigadas

Mais de 30 pessoas e empresas estão a ser investigadas por fraude fiscal e crime financeiro no Reino Unido. Esta investigação está relacionada com os Panama Papers. O ministro britânico das Finanças, Philip Hammond, diz que surgiram várias pistas no escândalo do Panama Papers, a fuga de informação de um dos maiores escritórios de advogados do Panamá. Num comunicado, o ministro diz que foi criada uma equipa para analisar a informação. Leia a notícia completa no Financial Times (Conteúdo em inglês / Acesso pago)

El Economista

Santander retoma negociações para comprar a Williams and Glyn

O Santander retomou as discussões com o Royal Bank of Scotland (RBS) para comprar as 314 sucursais da unidade Williams and Glyn. Esta é a terceira vez que as entidades tentam chegar a um acordo. O RBS, que é detido em 73% pelo Estado britânico, deve vender a Williams and Glyn antes do final de 2017 como parte das condições estabelecidas no resgate que recebeu durante a crise financeira. Leia a notícia completa no El Economista (Conteúdo em espanhol/acesso gratuito)

South China Morning Post

Subida dos preços dos alimentos impulsiona inflação chinesa

O Índice de Preços no Consumidor (IPC) na China, um dos principais indicadores da inflação, subiu 2,1% em outubro, face ao mesmo mês do ano anterior, anunciou hoje o Gabinete Nacional de Estatísticas chinês. A inflação no país asiático continua assim a acelerar, depois de em setembro ter aumentado 1,9% e em agosto 1,3%. O limite fixado pelo Governo chinês para o aumento da inflação é 3%. Leia a notícia completa no South China Morning Post (Conteúdo em inglês/ acesso gratuito)

Expansión

Espanha terá de adotar medidas para reduzir deficit em 8 mil milhões

Bruxelas diz que vai rever em baixa as previsões de crescimento de Espanha no próximo ano. De 2,5% previstos em maio para 2,3%. Esta descida deverá colocar o défice público nos 3,8% do PIB, ficando acima do objetivo de 3,1%. Isto vai obrigar o país a adotar medidas para reduzir o défice em oito mil milhões de euros. A Comissão Europeia deita assim um balde de água fria no otimismo do Governo espanhol em relação ao défice. O ministro da Economia deverá enviar nas próximas semanas medidas estruturais para aumentar a poupança de custos e a receita. Leia a notícia completa no Expansión (Conteúdo em espanhol/ acesso gratuito)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Revista de imprensa internacional

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião