Novos canais na TDT vão “beneficiar 2,5 milhões de pessoas”

  • Lusa
  • 16 Novembro 2016

RTP 3 e RTP Memória vão ficar disponíveis gratuitamente na TDT a 1 de dezembro e "beneficiar 2,5 milhões" de portugueses, disse o ministro da Cultura. Concurso para outros dois decorrerá em 2017.

O ministro da Cultura, Luís Castro Mendes, defendeu hoje que a emissão da RTP3 e da RTP Memória na televisão digital terrestre (TDT) vai permitir o combate às desigualdades e o reforço da qualificação e do conhecimento dos cidadãos. “Por força da evolução tecnológica, a cultura depende cada vez mais de meios audiovisuais e de redes digitais”, afirmou o ministro da Cultura, no âmbito da apresentação dos novos canais da RTP na TDT, que decorreu em Muge, concelho de Salvaterra de Magos (Santarém).

Segundo o governante, o acesso integral e gratuito da RTP3 e da RTP Memória vai “beneficiar 2,5 milhões de pessoas”, a partir de 1 de dezembro deste ano. “A partir de dezembro, a RTP vai ser ainda mais de todos os portugueses”, reforçou Luís Castro Mendes, sublinhando que a emissão da RTP3 e da RTP Memória “é um objetivo do programa do Governo, que foi cumprido”.

"Temos níveis de oferta de conteúdos na TDT absolutamente escandalosos em relação aos outros países da Europa.”

Luís Castro Mendes

Ministro da Cultura

O ministro salientou que os canais da RTP são cultura, pelo que contribuem para “um melhor conhecimento e para uma melhor qualificação dos cidadãos”. “Temos níveis de oferta de conteúdos na TDT absolutamente escandalosos em relação aos outros países da Europa”, indicou Luís Castro Mendes.

Por ser serviço público e receber a contribuição audiovisual do Estado, a RTP “está menos sujeita à teoria das audiências”, mas deve “apostar na qualidade e apostar em oferecer algo de diferente”, declarou o governante. “Queremos uma diversificação clara do serviço público”, disse Luís Castro Mendes, destacando a informação internacional da RTP para que os portugueses possam “ter um olhar crítico sobre o mundo”.

Durante o evento, o ministro saudou Herman José, enaltecendo-o por ser “uma grande figura da cultura portuguesa” e o “génio criador” do humor em Portugal. Sobre questões técnicas da emissão da RTP3 e da RTP Memória na TDT, o governante garantiu que “a difusão está feita, na maior parte [das regiões] por via terrestre, em algumas partes por satélite, mas basicamente cobre todo o território nacional”.

Em relação ao arquivo da televisão pública, o ministro da Cultura disse que o empréstimo que o Estado fez à RTP para o arquivo será transformado em participação acionista, frisando tratar-se ainda de “uma proposta” que está a ser analisada no Ministério das Finanças. “O património arquivista é um património histórico absolutamente excecional e que tem que ser digitalizado a bem da cultura, da História e da preservação do património”, advogou.

Questionado sobre a situação de trabalhadores precários na RTP, o governante explicou que a televisão estatal é uma empresa pública, não é administração pública, pelo que o Governo pode apenas refletir essas preocupações como tutela pública.

A TDT tem capacidade para ter nove canais, pelo que será aberto um concurso para a oferta de mais dois canais, mas tal só acontecerá “durante 2017”, adiantou o ministro. Atualmente, a TDT disponibiliza a RTP1, RTP2, SIC, TVI e canal Parlamento na sua plataforma, a qual é gerida pela Meo.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Novos canais na TDT vão “beneficiar 2,5 milhões de pessoas”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião