Vodafone: Exclusividade no futebol foi uma ilusão

Mário Vaz, líder da Vodafone, disse ao ECO que a "ilusão da exclusividade" na compra de direitos do futebol terá implicações no preço para o cliente. Compra da TVI não faz parte dos planos.

“A ilusão de exclusividade teve um preço.” A frase é de Mário Vaz, presidente executivo da Vodafone: em entrevista ao ECO, o líder da operadora reconhece que as compras milionárias de direitos desportivos, que culminaram com um acordo de partilha de conteúdos assinado com a Meo, a Nos e a Nowo, foi um “movimento” que aumentou a “estrutura de custos” de todo o mercado. Incluindo a da Vodafone, que apresentou resultados esta terça-feira.

No primeiro semestre fiscal, a operadora portuguesa registou 457,6 milhões de euros em receitas de serviço. Aumento no número de clientes fixos ajudou as contas da empresa. Quanto às receitas totais, que tanto englobam o fornecimento de serviços fixos e móveis como a venda de equipamentos de telecomunicações, atingiram 494,5 milhões de euros no mesmo semestre fiscal. Trata-se de um crescimento homólogo ligeiramente mais fraco, de apenas 0,6%.

Por e-mail, Mário Vaz indica que os impactos financeiros dos acordos são “inevitáveis”, embora, no caso da Vodafone, o protocolo assinado este verão tenha tido um impacto “ainda marginal” nas contas do terceiro trimestre do ano. O peso maior irá refletir-se “em resultados futuros” e de forma transversal a “todos os operadores subscritores”, reconhece o presidente executivo.

As principais operadoras anteciparam a atualização anual dos preços de janeiro de 2017 para os meses de agosto (Vodafone), novembro (Meo) e dezembro (Nos) deste ano. Até agora, só a Meo tinha reconhecido que o aumento do preço dos serviços irá dever-se a custos com a aquisição de conteúdos desportivos. No caso da Vodafone, a operadora justifica um aumento de 7,43% no pacote triple play com um “reforço da oferta”, mais propriamente, um novo router de acesso à internet.

Mas agora, ao ECO, ainda que recusando “comentar a estratégia” dos concorrentes, Mário Vaz admite que o “aumento de custos” tem “necessárias implicações do ponto de vista de preço para o cliente”. No entanto, o importante para a operadora é o equilíbrio entre a imputação desse custo ao cliente “no preço final” e o impacto que isso tem “no nível de adesão dos clientes a esses conteúdos”. Sobre isso, o presidente executivo recorda que “cada operador fará as suas leituras dessa equação”.

A ilusão da exclusividade teve um preço e este movimento representou um incremento na estrutura de custos do mercado como um todo e, naturalmente, para a Vodafone também.

Mário Vaz

Presidente executivo da Vodafone Portugal

Compra da TVI não está nos planos

Tem sido uma tendência lá fora. Operadoras de telecomunicações estão a adquirir empresas de conteúdos. O caso mais flagrante — e recente — é o da norte-americana AT&T, que comprou a Time Warner por mais de 80 mil milhões de dólares. Há quem acredite que, em Portugal, uma fusão pode estar também prestes a acontecer e o certo é que já há um negócio à venda: trata-se da Media Capital, dona da estação televisiva TVI, da rádio Comercial e da produtora Plural.

O grupo é detido pela Prisa e a Altice, dona da Meo, estará interessada. Mas a Vodafone não. Mário Vaz recorda que a operadora “sempre defendeu a universalidade dos conteúdos em detrimento da exclusividade”. Bastou o acordo de partilha e a entrada no capital da Sport TV que, justificou a empresa na apresentação de resultados, serviu para dar “uma maior solidez e sustentabilidade à empresa”. Face a isto, é perentório: “Não consta dos nossos atuais planos avançar para a aquisição de quaisquer outros ativos relacionados com conteúdos”, diz. E acrescenta: “A estratégia da Vodafone passa por estar na fase de distribuição.”

Ainda há interesse na rede de fibra da PT

Mário Vaz tem criticado o preço pedido pela PT para que concorrentes acedam à rede de fibra ótica da operadora. Este ano, no habitual debate do “Estado da Nação das Comunicações”, integrado no congresso anual da APDC, apontou baterias à concorrente, dizendo que os preços exigidos são “um pedido de comparticipação e financiamento integral” dessa mesma rede.

Ao ECO, mantém essa posição: “Temos visões muito diferentes sobre o que quer dizer o termo oferta. Se a mesma fosse boa, seguramente já teria clientes”, critica. “Nós estamos claramente interessados e disponíveis, mas não parece ser essa a preocupação de quem fez a oferta”, garante. A Vodafone tem vindo a investir numa rede própria de fibra ótica e, no congresso da APDC, Paulo Neves desafiou o líder da Vodafone a fazer uma contraproposta: “Aceitamos reciprocidade”, assumiu. Nessa altura, Mário Vaz contra-argumentou que “a Vodafone está onde a PT está”, pelo que fazer essa oferta “não faz sentido”, disse.

Esta quinta-feira, a empresa anunciou ter ultrapassado o marco dos 37 mil quilómetros de fibra espalhados pelo país. “Servimos mais de 2,5 milhões de lares e empresas, quando há pouco mais de três anos chegávamos a pouco menos de meio milhão”, recorda ao ECO. Sobre investimentos futuros, Mário Vaz prefere não se adiantar: “À data de hoje não temos planos adicionais que possamos tornar públicos.”

"[Nós e a PT] temos visões muito diferentes sobre o que quer dizer o termo oferta. Se a mesma fosse boa, seguramente já teria clientes.”

Mário Vaz

Presidente executivo da Vodafone Portugal

Regulação: “Estamos num momento de impasse”

Mário Vaz deixa, por fim, críticas à “atual indefinição regulatória”: “Estamos a aguardar a evolução da posição da Comissão [Europeia] e do BEREC sobre a decisão da Anacom de regular sem regular”, algo que “torna inviável o desenho de planos de investimento e coloca claramente em risco a continuidade um modelo de co-investimento nas infraestruturas de redes de nova geração, que melhor defenderia os interesses do país”, defende.

Há ainda uma “ameaça de aumento de custos” nas taxas municipais e “barreiras à entrada de novos operadores” devido à “ausência de clarificação sobre a titularidade de condutas e respetivos custos”, diz. Ou seja, o setor vive, para Mário Vaz, um “momento de impasse com crescentes dificuldades que tornam inviável o desenho e comprometimento com o acionista sobre novos planos de investimento” na área das redes de nova geração.

“Lamentamos que a situação atual esteja a limitar o potencial de chegarmos com redes de nova geração mais rapidamente a todas as zonas do país, mesmo as mais remotas, promovendo a coesão territorial e contribuindo assim para o aumento da competitividade numa nova economia digital em que as infraestruturas de comunicação serão determinantes para o sucesso do nosso país”, conclui.

"Estamos num momento de impasse com crescentes dificuldades que tornam inviável o desenho e comprometimento com o acionista sobre novos planos de investimento nesta área.”

Mário Vaz

Presidente executivo da Vodafone Portugal

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Vodafone: Exclusividade no futebol foi uma ilusão

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião