Nos reforça lucros. Aumenta clientes

A empresa de Miguel Almeida lucrou 78,4 milhões de euros, um aumento de 6,6% em relação ao mesmo período de 2015. No total, são já 3,7 milhões de casas com cobertura no país.

A Nos está a aumentar os lucros. Fechou os primeiros nove meses com resultados líquidos de 78,4 milhões de euros, um aumento de 6,6% face ao período homólogo, fruto do “bom momento operacional nas áreas de negócio de telecomunicações e de cinema”, refere a empresa liderada por Miguel Almeida.

No terceiro trimestre, a operadora lucrou 27,5 milhões de euros, mais 4,8% do que no ano passado. O lucro no acumulado dos primeiros nove meses do ano também aumentou para 78,4 milhões de euros.

Quanto ao EBITDA, isto é, os lucros antes de juros, impostos, depreciação e amortização, a Nos registou um aumento de 1,2% no terceiro trimestre e alcançou o 145,2 milhões de euros, contra os 143,5 milhões registados no terceiro trimestre de 2015. Já as receitas de exploração subiram 5,3% no mesmo período em relação a 2015, para 1,1 mil milhões de euros.

Este crescimento das receitas traduz o facto de os portugueses estarem a gastar mais em serviços de telecomunicações. Os dados revelados à CMVM mostram um aumento no valor médio gasto por cada subscritor único de acesso fixo ao nível residencial (ARPU), de 42 para 42,80 euros.

“Os primeiros nove meses deste ano certificam de forma clara a aposta da Nos na inovação contínua e na estratégia de levar a cada vez mais portugueses as mais modernas redes de comunicações”, diz Miguel Almeida. “A NOS investiu, já este ano, cerca de 300 milhões de euros e continuará a investir para garantir a sua posição de liderança na escolha das famílias e empresas portuguesas”, nota.

“A posição de liderança na televisão por subscrição em Portugal continua a aumentar, tendo acrescentado mais 64,2 mil clientes, um crescimento de 4,2% do total da base de clientes de acesso fixo, acima dos 40,2% verificados” um ano antes.

As ofertas convergentes, também chamadas de pacotes de serviços, continuam a destacar-se. Na Nos, tiveram um aumento de 22,7% nesse período, para um total de 3,27 milhões de serviços. São 661,4 mil clientes, número que também cresceu, na ordem dos 19%.

De resto, houve crescimentos no número de clientes de televisão por subscrição (que são já 1,59 milhões, um aumento de 64,2 mil clientes), no número de serviços de banda larga fixa e telefone fixo (mais 11,9% e 6,1%, respetivamente), e no número de serviços empresariais (mais 137,7 mil serviços).

Atualmente, a Nos dá cobertura a 3,7 milhões de casas no país, após investimentos no sentido de expandir a cobertura da rede fixa de nova geração nos primeiros nove meses do ano. Foram cerca de 197 mil casas passadas nos nove primeiros meses do ano.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Nos reforça lucros. Aumenta clientes

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião