Nos aumenta lucros em 16% e propõe aumentar dividendos para 35 cêntimos. Receitas crescem “apesar da continuada queda dos preços”

A operadora liderada por Miguel Almeida apresentou um crescimento de 15,8% nos resultados líquidos. Apesar da queda dos preços, as receitas ascenderam a 1.576 milhões de euros.

A Nos aumentou os lucros. A empresa liderada por Miguel Almeida registou um crescimento de mais de 15% nos resultados líquidos, num ano em que as receitas ascenderam a mais de 1.500 milhões de euros e por isso propõe pagar um dividendo de 35 cêntimos por ação. Houve um incremento, “apesar da continuada queda dos preços” num “mercado que atingiu a sua maturidade”.

O resultado consolidado líquido atingiu 141,4 milhões, um crescimento de 15,8% face aos 122,1 milhões alcançados em 2017. “O EBITDA consolidado apresentou uma variação positiva de 2,8%, para 591,8 milhões de euros, com a margem EBITDA a atingir 37,5%, mais 0,6 pp que em 2017″, nota a Nos.

As “receitas cresceram, neste período, 1,1%, face a 2017, atingindo 1.576 milhões de euros“, refere a empresa, salientando este feito num “num mercado que atingiu a sua maturidade”. Miguel Almeida destaca o crescimento das “suas receitas, apesar da continuada queda dos preços e melhorando os seus resultados, fruto do processo de digitalização das suas operações que leva a melhorias de eficiência”.

AS perspetivas operacionais e financeiras levaram o Conselho de Administração a aprovar uma proposta de dividendo ordinário de 35 cêntimos de euro por ação, que representa um acréscimo de 16,7% face ao dividendo pago no ano anterior. A proposta deve agora ser votada em assembleia geral de acionistas.

“Sendo a Nos a única empresa portuguesa a atuar no setor das comunicações, estes resultados são o testemunho da qualidade e dedicação de todos os nossos colaboradores”, diz o CEO da Nos, rematando que o sucesso da empresa de telecomunicações “a eles se deve”.

Mais clientes, alguns “muito importantes”

Miguel Almeida agradece aos colaboradores, especialmente pela capacidade de continuarem a fazer crescer a “base de clientes e a incrementar o número serviços” comercializados. Estes serviços aumentaram “2,1% ou 193 mil, contando com 9,605 milhões de serviços prestados no final de 2018”.

A Nos nota “um aumento do número de clientes de TV por subscrição atingindo 1,623 milhões. “O número de serviços de televisão através de acesso fixo aumentou 2,5% para 1,325 milhões”, diz.

Em termos de serviços móveis houve um crescimento de 2,3% para 4,779 milhões, já na “internet fixa de banda larga e nos serviços de voz fixa, registou igualmente crescimentos de 4,2% e de 1,3%, respetivamente”. Conta com 1,389 e 1,781 milhões de clientes, respetivamente.

A Nos destaca o crescimento entre os clientes empresariais. “Nos serviços empresariais, a Nos continua a conquistar clientes muito importantes no segmento corporate, quer no setor público quer no setor privado. O número de serviços empresariais atingiu 1,507 milhões, face aos 1,459 verificados no final de 2017″, nota.

Investimento estável. Dívida também

Este crescimento do negócio aconteceu num ano em que a Nos continuou a investir centenas de milhões de euros. “O investimento (CAPEX total) manteve-se ao nível do ano anterior atingindo 375,7 milhões de euros“, refere a empresa, salientando que este dinheiro foi gasto no sentido de “melhorar e levar as suas redes de nova geração a todo o país”.

Mesmo com mais investimento, tendo em conta o crescimento dos resultados, a dívida da Nos manteve-se reduzida. “No final do período em análise, a dívida financeira líquida situou-se nos 1.066 milhões de euros“, valor que compara com os 1.085 milhões um ano antes. Esta dívida representa “1,8x o EBITDA, um rácio conservador face às congéneres do setor”, remata.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Nos aumenta lucros em 16% e propõe aumentar dividendos para 35 cêntimos. Receitas crescem “apesar da continuada queda dos preços”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião