Nos “copia” banca com ficha simplificada dos contratos

  • ECO
  • 2 Janeiro 2020

Enquanto os bancos têm a Ficha de Informação Normalizada para os produtos bancários, a Nos vai ter a Ficha de Informação Simplificada para que os clientes saibam os termos do seu contrato.

Há muitos anos que os bancos têm uma Ficha de Informação Normalizada (FIN) para darem a conhecer, de forma padronizada, os produtos que vendem aos seus clientes. Agora, a Nos vai “copiar” essa FIN, mas chama-lhe FIS, sendo que o objetivo é o mesmo: permitir, de forma simples e concisa, explicar os termos dos contratos aos clientes.

“A partir de hoje, a Nos passa a disponibilizar aos seus clientes a FIS – Ficha de Informação Simplificada – com o objetivo de partilhar de forma simples e curta toda a informação contratual relevante“, diz a empresa liderada por Miguel Almeida.

Esta “FIS será disponibilizada no momento de celebração do contrato, permitindo uma escolha mais informada e consciente do serviço a contratado, como as principais características dos serviços, as ofertas e descontos associados à fidelização, a duração do contrato e os encargos decorrentes da denúncia antecipada do contrato”, nota.

“A FIS será também disponibilizada, a pedido, antes da celebração do contrato, permitindo uma escolha mais informada e consciente do serviço a contratar”, acrescenta.

A Nos, que recentemente anunciou uma redução de 50% no valor da indemnização a pagar pelos clientes que interrompam o contrato antes do tempo, acredita que esta nova iniciativa de “autorregulação será extremamente benéfica para os seus clientes e para o setor das comunicações”, introduzindo mais transparência e simplicidade nos contratos.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Nos “copia” banca com ficha simplificada dos contratos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião