Depois de subir mais de 10% em 2019, Lisboa entra em 2020 a ganhar

Praça portuguesa entrou com o "pé direito" no novo ano. Segue a tendência positiva da generalidade dos mercados acionistas europeus, com o setor da pasta e papel a puxar pelo PSI-20.

Lisboa avança no novo ano. Depois de uma valorização de mais de 10% em 2019, a entrada em 2020 faz-se com ganhos, com o PSI-20 a seguir a tendência positiva da generalidade dos índices do Velho Continente. Setor da pasta e papel está a ajudar ao comportamento positivo numa sessão em que a liquidez continuará a ser reduzida dada a ausência de muitos investidores neste período de festas.

O PSI-20 ganha 0,41% para 5.235,98 pontos, com 15 das 18 cotadas em alta e apenas três em queda. Na Europa, o Stoxx 600 soma 0,3%, mas o destaque vai para as praças espanhola e francesa, registando ganhos de 0,8% e 0,6%, respetivamente. O DAX, da Alemanha, contraria a tendência ao registar uma desvalorização de 0,1%.

Navigator e Altri destacam-se nas subidas em Lisboa, registando ganhos perto de 1%, estando ambas a ser animadas pelo anúncio por parte de Donald Trump de que a Fase 1 do acordo comercial com a China vai ser assinado a 15 de janeiro na Casa Branca. As duas empresas do setor da pasta e papel exportam a quase totalidade da sua produção, sendo mais sensíveis à “guerra” entre EUA e China.

A Mota-Engil lidera as subidas, somando 1,28%, mas é o BCP que está a ser determinante para a dimensão da subida da bolsa nacional ao somar 0,94% para os 20,47 cêntimos por ação.

Nota positiva também para a Nos, bem como para a Jerónimo Martins, a estrela do PSI-20 em 2019. A Galp Energia ganha 0,67% para 15,00 euros, enquanto a EDP e a EDP Renováveis impedem uma subida mais expressiva da bolsa ao registarem quedas de 0,05% e 0,38%, respetivamente.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Depois de subir mais de 10% em 2019, Lisboa entra em 2020 a ganhar

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião