“Livrete” do carro mudou. A partir de agora são todos assim

  • ECO
  • 2 Janeiro 2020

Com a chegada do novo ano, o novo DUA, mais fácil de guardar na carteira, vai chegar a todos os condutores. O antigo continua válido, não sendo necessário substituí-lo.

O Documento Único Automóvel (DUA), o substituto do “livrete”, mudou. A 1 de agosto, a “folha de papel” deu lugar a um cartão de policarbonato, com dimensões mais reduzidas, mas não para todos. Na fase piloto do projeto, apenas as viaturas novas tiveram direito a este novo DUA mas, com a chegada do novo ano, este novo documento, mais fácil de guardar na carteira, vai chegar a todos os condutores.

“Até final do ano, o novo DUA abrange apenas os veículos com a primeira matrícula atribuída a partir de 1 de agosto em território nacional, assim como os pedidos de certificado de matrícula que recaiam sobre essas matrículas”, diz o Instituto dos Registos e do Notariado (IRN). Mas “a partir de 2020, o DUA passa a ser emitido no novo formato em todas as situações”, acrescenta.

Que situações são essas? O IRN enumera-as:

  • Compra um automóvel;
  • Altera os dados do proprietário (se transfere a propriedade para outra pessoa ou empresa, ou se muda de morada ou sede);
  • Modifica as características do automóvel (cor da pintura, perfil dos pneus);
  • Quer substituir os documentos livrete e título de registo de propriedade;
  • Se o documento inicial se perdeu, foi roubado ou está ilegível — com a 2.ª via do DUA.

O “DUA em suporte de papel sintético continua válido”, não sendo necessário, não ocorrendo nenhuma das situações que obriguem à emissão de um novo documento, fazer qualquer substituição. Embora, para muitos, este novo DUA seja bem mais prático.

“O DUA passou a ser emitido em suporte de cartão de policarbonato, com dimensões mais reduzidas, semelhantes às do Cartão de Cidadão”, o que o torna ao mesmo tempo mais resistente, mas também “mais fácil de guardar na carteira”.

É também mais seguro, de acordo com o IRN, que aponta para “uma elevada segurança dos dados”. “O documento incorpora um código UniQode para a leitura ótica da informação do certificado de matrícula”, acrescenta, salientando que “para ler o código UniQode é necessário ter a aplicação DUApp, que está disponível gratuitamente na Apple Store e Google Play”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

“Livrete” do carro mudou. A partir de agora são todos assim

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião