Vodafone fatura mais de mil milhões de euros em Portugal

A Vodafone Portugal continua a crescer. As receitas aumentaram pelo décimo trimestre consecutivo, superando a fasquia dos mil milhões nos último ano fiscal.

A Vodafone Portugal está a aumentar as receitas. Registou um crescimento de 3,1% no quarto trimestre, alcançando o décimo trimestre consecutivo de aumento da faturação. No total do ano fiscal, terminado em março, a empresa liderada por Mário Vaz conseguiu superar o patamar dos mil milhões de euros de receitas.

As receitas de serviços totalizaram “cerca de 232 milhões de euros no final de março, o que representa um crescimento orgânico de 3,1% face ao período homólogo”, diz a operadora. “Este desempenho revela o ritmo de crescimento sustentado de um dos mais importantes indicadores de negócio, o que se verifica pelo décimo trimestre consecutivo“. No mesmo período, as receitas totais avançaram 3% para cerca de 246 milhões de euros.

“Na análise ao exercício fiscal de 2017-2018, as receitas de serviços ascendem a 950 milhões de euros, o que representa um crescimento de 4,6% face ao ano anterior. No mesmo período, as receitas totais sobem 3,3%, ultrapassando os mil milhões de euros”, acrescenta a empresa, notando que estes resultados foram “alcançados num ambiente setorial desafiante e em transformação”.

Os resultados espelham, entre outras variáveis, o crescimento das receitas do serviço fixo, sustentado pelo contínuo incremento da base de clientes que contabiliza já mais de 657 mil, o que representa um aumento de 11,3%”, refere a Vodafone Portugal. Em termos de clientes móveis, a operadora totaliza 4,606 milhões, o que representa uma ligeira redução face a março de 2017, mas com um peso acrescido de clientes 4G”.

“A Vodafone Portugal encerra o ano fiscal de 2017-2018 completando um crescimento de dez trimestres consecutivos do principal indicador de negócio. Este reforço da sua posição competitiva é fruto do sucesso da estratégia adotada e da capacidade de a empresa responder positiva e adequadamente aos crescentes desafios do mercado“, refere Mário Vaz, acrescentando que a inovação vai continuar a ser estratégica na atuação da empresa.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Vodafone fatura mais de mil milhões de euros em Portugal

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião