TVI/Altice: Concorrentes podem influenciar chumbo do negócio, alerta o Haitong

Oposição das operadoras concorrentes da Meo, expressa no congresso da APDC poderá ter um efeito de lóbi e influenciar a decisão final dos reguladores na compra da TVI pela Altice, defende o Haitong.

Claudia Goya, presidente da Meo.Paula Nunes / ECO

Numa nota de research divulgada esta sexta-feira, o analisa Nuno Matias começa por recordar as posições das operadoras concorrentes da Meo, a Nos e a Vodafone, no congresso da APDC que decorreu em Lisboa esta quarta e quinta-feira. Responsáveis de ambas defenderam que a aquisição da dona da TVI pela dona da Meo não pode ser aprovada, sob pena de desvirtuar a concorrência e limitar o acesso a conteúdos aos consumidores portugueses.

Nuno Matias começa por recordar que o negócio engloba a principal operadora de telecomunicações (a Meo) a comprar o canal de televisão de acesso livre líder (a TVI) e a unidade de produção de conteúdos com “mais sucesso” no país (a Plural). O analista indica ainda que as posições da Nos e da Meo expressas no congresso da APDC ganham ainda mais relevância “numa altura em que o negócio está sob escrutínio dos reguladores e em que o lóbi é uma consequência natural”, escreve.

E se a compra for aprovada? Devem existir compromissos ou remédios

“Tendemos a concordar que, em teoria, um negócio como este pode ter implicações negativas ao nível do acesso a conteúdos”, defende o Haitong. “É pior isso que também acreditamos que, se o negócio for aprovado, isso deve acontecer com remédios estritos que previnam qualquer acesso exclusivo ao conteúdo, especialmente em relação à TVI, indica o analista daquele banco de investimento.

Por outras palavras, defende que, a ser aprovado, devem existir compromissos a serem subscritos por parte do grupo Altice, uma solução igualmente contestada pelas operadoras da concorrência no congresso da APDC.

"Acreditamos que, se o negócio for aprovado, isso deve acontecer com remédios estritos que previnam qualquer acesso exclusivo ao conteúdo, especialmente em relação à TVI.”

Nuno Matias

Analista do Haitong

Contudo, “em termos práticos”, o analista não acredita que o negócio venha a provocar um abanão profundo no mercado ao nível da concorrência. “Em termos práticos, independentemente da decisão da Autoridade da Concorrência, o resultado deste processo não se deverá traduzir numa grande agitação na concorrência do mercado ou na disponibilização de conteúdos”, diz Nuno Matias. Conclui, recordando que a Anacom “já emitiu o seu parecer não vinculativo, indicando que o negócio deve ser travado”.

No 27.º Digital Business Congress, que decorreu esta quarta e quinta-feira no CCB (Lisboa), este negócio foi o principal tema em cima da mesa. Mário Vaz, líder da Vodafone, garantiu que esta operação é “prejudicial para o setor das telecomunicações e é por inerência prejudicial para o país e para a democracia”. Já Miguel Almeida, líder da Nos NOS 0,00% , subscreveu a mesma opinião e alertou que, caso a compra avance mesmo, haverá contra-ataque da Nos: “Obviamente, não poderemos aceitar que os nossos clientes sejam prejudicados por essa iniciativa. Teremos de fazer pela vida”, reiterou.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

TVI/Altice: Concorrentes podem influenciar chumbo do negócio, alerta o Haitong

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião